Pular para o conteúdo principal

SÓ PROSA #01 (PRA TALVEZ VOLTAR)

SÓ PROSA #01 (PRA TALVEZ VOLTAR)

 

E fez 5 anos sem uma única atualização de meu blog. Blogs são como plantas, que uma vez sem cuidados, param de dar frutos, murcham, secam e morrem, ou não, a maioria sim. Mas ainda acredito que muitos blogs serão encontrados pelos literatos do futuro e esmiuçados e aproveitados por suas singularidades em suas capacidades de relatar os tempos e as visões.

É tanta informação e tantas mídias e tantas redes sociais e tantas notícias... O mundo vai em turbilhão e aos rodopios, de surriada. É impossível acompanhar tanta evolução ao passo de todos os fatos e acontecimentos seculares.

Aconteceu algo que eu há algum tempo já suspeitava que aconteceria: a vida em self-service. Cada qual busca a informação que quer, o assunto, o entretenimento, a opinião, o programa e a programação, o filme, a música, o clipe e as pessoas, a visão de vida e de planeta. Mas pensando um pouco mais e melhor, será que não foi sempre assim?

Não sei se e nem como o meu blog eventualmente será visto em outros tempos, mas creio que certamente postei coisas engraçadas e interessantes nele e até algum retrato de vida.

E o que fez com que eu parasse de escrever foi a própria vida, que me chamou para um outro projeto, o qual chamei de Projeto Equilíbrio e assim tenho vivido.

Aí vieram tantas coisas que tenho o registro e preferi não publicar que já nem sei direito a conta das crônicas e contos ocorridos. Porém tamanho foi o meu silêncio que começaram a me dar vozes que não são minhas e atribuir frases ao meu nome que jamais disse ou escrevi.

Não vejo a vida como um mar de rosas sob um céu de estrelas e nem como um mar de ambição sob um céu de intrigas. Quem quer ser mesquinho que se amesquinhe, quem quer ser poesia que se versifique. Creio que uma existência seja algo muito breve para nos atermos somente às misérias da alma. Velei-me, meu bom Deus! O cosmo é mais!!!

Durante uma pandemia, tudo é muito incerto, controverso e sombrio. E é sob esse signo que voltar eu decido. Eis-me aqui, querido blog e queridos amigos! O rei está nu novamente e este modesto escriba de volta à escrita.

Sócrates disse e certamente diria novamente: “mais difícil que evitar a morte é evitar o mal, porque ele corre mais depressa que a morte”.

 

 

 

 

 

A arte imita a vida, a vida imita a arte, a arte não mata a fome, mas uma fome morta não é o suficiente para alimentar uma vida viva. (JefhCardoso)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O GRANDE CIRCO NONSENSE - HEMATÓFAGO

‘Quem?’, p erguntou prolongando ao máximo possível a extensão da pequena palavra com sua voz esganiçada a velha mulher magra, solteira e um tanto solitária imediatamente após soar o toque da campainha pelos cômodos desabitados de sua casa indo ecoar à porta da rua, possibilitando a quem acionou ouvir perfeitamente o som. ‘Sou eu, o m ágico Pipo!’, r espondeu o homem de cartola e capa preta plantado de pé en frente ao portão olhando um ponto fixo no muro da casa azul marinho. ‘Ah, é você, m ágico Pipo?! ’ , r espondeu a mulher magra, solteira e solitária com discreta porém perceptível alegria festiva na voz e familiaridade no tom : ‘ Eu estou esperando o açougue, o verdureiro e a farmácia ; a chei que fosse algum deles ; m as que bom que é senhor ! Entre, m ágico, entre ! Ela tá te esperando na cama, coitada! Essa noite não dormiu nada ; c onversou à noite in-tei-ri-nha, coitadinha . É a crise. A crise voltou . ’ Concluiu a mulher curvando a cabeça em uma flexão de seu pes

REVEILLON

Bala que partiu não tem volta. E se ela vai de encontro ao leito venoso do rio da vida que corre rumo ao fim, ai ai ai... Pode imediatamente dar início aos preparativos para a grande convenção final. Compre flores, muitas flores. Se possível, uma coroa com alguns dizeres genéricos bem bonitinhos, sensíveis, comoventes. Peça a um poeta para elaborar um texto bem tocante no sentido da compreensão das almas mais sensíveis. E se não conhecer nenhum poeta disponível, que horror!, mesmo que amador, deixe que o pessoal do marketing se encarregará do conteúdo, eles sempre sabem o que o povo gosta de ler de modo geral, amplo e irrestrito.  Já decidiu quem é que levará o seu esquife à mansão dos mortos? Veja bem, melhor que seja gente forte e saudável. Já teve infeliz que fez a escolha errada e acabou caindo na própria rua da cova, ao pé do sepulcral. Um vexame total para os amigos, não os tem, sim, mas tem parente, não importa que sejam poucos os tais, parentes e familiares: mãe e irmã,

GENYSIS - O CHEQUE ENCANTADO

“Ela tinha uma letra linda! Precisa ver!” disse a cuidadora enquanto preenchia o cheque para pagar por umas fraudas ao pessoal da farmácia. “Quando eu ia ao banco levar algum cheque preenchido por ela, o banco inteiro se admirava da caligrafia na folha; o papel corria de mão em mão; ao final, vinha o próprio gerente para descontar e dizer com grande ênfase que aquele sim dava gosto em pagar.” “Tem algo escrito com a letra dela para que eu possa ver?, uma pequena amostra?” perguntou o visitante, com sincera curiosidade. “Acho que sim. Aguarde um momento, por favor...” disse a cuidadora e dirigiu-se à penteadeira da qual abriu uma gaveta e começou a revirar o interior da mesma: “Aqui está! Uma carta que ela não enviou à filha. Mas aqui a letra dela já não estava tão boa; mesmo assim dá pro senhor ter idéia do quanto era bonita. Pode ler. Ela não se importa. Eu mesma já li e não tem nada de mais.” O visitante examinou por algum tempo o remetente do envelope e depois o desti