Pular para o conteúdo principal

SÓ PROSA #01 (PRA TALVEZ VOLTAR)

SÓ PROSA #01 (PRA TALVEZ VOLTAR)

 

E fez 5 anos sem uma única atualização de meu blog. Blogs são como plantas, que uma vez sem cuidados, param de dar frutos, murcham, secam e morrem, ou não, a maioria sim. Mas ainda acredito que muitos blogs serão encontrados pelos literatos do futuro e esmiuçados e aproveitados por suas singularidades em suas capacidades de relatar os tempos e as visões.

É tanta informação e tantas mídias e tantas redes sociais e tantas notícias... O mundo vai em turbilhão e aos rodopios, de surriada. É impossível acompanhar tanta evolução ao passo de todos os fatos e acontecimentos seculares.

Aconteceu algo que eu há algum tempo já suspeitava que aconteceria: a vida em self-service. Cada qual busca a informação que quer, o assunto, o entretenimento, a opinião, o programa e a programação, o filme, a música, o clipe e as pessoas, a visão de vida e de planeta. Mas pensando um pouco mais e melhor, será que não foi sempre assim?

Não sei se e nem como o meu blog eventualmente será visto em outros tempos, mas creio que certamente postei coisas engraçadas e interessantes nele e até algum retrato de vida.

E o que fez com que eu parasse de escrever foi a própria vida, que me chamou para um outro projeto, o qual chamei de Projeto Equilíbrio e assim tenho vivido.

Aí vieram tantas coisas que tenho o registro e preferi não publicar que já nem sei direito a conta das crônicas e contos ocorridos. Porém tamanho foi o meu silêncio que começaram a me dar vozes que não são minhas e atribuir frases ao meu nome que jamais disse ou escrevi.

Não vejo a vida como um mar de rosas sob um céu de estrelas e nem como um mar de ambição sob um céu de intrigas. Quem quer ser mesquinho que se amesquinhe, quem quer ser poesia que se versifique. Creio que uma existência seja algo muito breve para nos atermos somente às misérias da alma. Velei-me, meu bom Deus! O cosmo é mais!!!

Durante uma pandemia, tudo é muito incerto, controverso e sombrio. E é sob esse signo que voltar eu decido. Eis-me aqui, querido blog e queridos amigos! O rei está nu novamente e este modesto escriba de volta à escrita.

Sócrates disse e certamente diria novamente: “mais difícil que evitar a morte é evitar o mal, porque ele corre mais depressa que a morte”.

 

 

 

 

 

A arte imita a vida, a vida imita a arte, a arte não mata a fome, mas uma fome morta não é o suficiente para alimentar uma vida viva. (JefhCardoso)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cartas a Tás (20 de 60)

Ituverava, 30 de junho de 2009 Aqui estamos, Tás. Eu e essa simpatia que é Lucília Junqueira de Almeida Prado, autora de mais de 65 livros publicados, capaz de recitar poemas de sua autoria compostos com cantigas de roça, bem como poemas de Cora Coralina, feito uma menina sobre o palco. Estive novamente na feira do livro, engoli meu orgulho de vez e abracei a causa. Fui lá não para vingar-me, com críticas sobre o fabuloso evento, nutridas por minha derrota no prêmio Cora Coralina, mas sim, para divulgar a campanha Cartas a Tás, que agora ganhou um slogan; “Restitua a cidadania do menino encardido que ficou famoso e apátrida”. Tás, você é de Ituverava e Ituverava é sua, irmão. Espero que aprove, meu mestre, pois para servir nesta batalha tive que ser um bom perdedor. E não é bom perder, isso aprendemos nos primeiros anos de existência, acho até que já nascemos com este instinto, pois quando uma criança toma por força algum objeto que por ventura esteja em nossa posse, qual menin

O Diário de Bronson (10 - O Chamado)

_Bronson, o tal Dr. Mendelson ligou para você. Disse para retornar o mais depressa possível. O que esse homem teria para falar de tão urgente? _Não sei, Frida. Na verdade nem imaginava que ele pudesse querer um dia falar comigo. _Você vai ligar? _Claro. Por que eu não ligaria? _Sei lá. É que você voltou tão pra baixo após a última consulta. _Não era uma consulta, era um aconselhamento; e isso não tem nada haver com os meus humores. _Ta bom. Esqueça. Não disse nada. ... _Alô! Dr. Mendelson? ... _Sim, Doutor. Eu posso. Já estou a caminho.... _Onde vai, Bronson? _Vou até a casa do Dr., me parece que sofreu um acidente e, fraturou a perna, precisa falar comigo. _Você agora virou enfermeiro? _Frida, por favor, não comece! _Desculpe, mas... Bronson! Bronson! Bronson havia partido ao encontro de Dr. Mendelson. Em dez minutos já estava diante da casa amarela com fachada de arquitetura mista (antiga/contemporânea). Apertou o interfone e desta vez não ouviu a fria voz de