Amigos

domingo, fevereiro 06, 2011

O GINÁSIO E O FUNDAMENTAL II

Voltando às aulas, digo, meus filhos voltando às aulas, vejo que as coisas não mudaram ao ponto de eu não conseguir traçar linhas comparativas destes tempos com os meus tempos de menino. Tudo muda, e as cabeças sempre, invariavelmente, ficam confusas diante das diferenças, no entanto na essência somos as mesmas crianças de outrora, tá ligado?

Meu filho mais velho, que hoje está com quase onze anos, foi para a quinta série/sexto ano; o que equivale ao meu término de primário e ingresso ao ginásio; o que, a bem da verdade, dá na mesma.
O moleque criou um pelos mais escuros sobre o lábio superior, sua voz, cada vez com mais freqüência, oscila em tons graves sobrepostos por tons agudos exagerados, e em seguida tudo retorna à normalidade.
As aulas começaram. Eu fiz o que fazia nos anos anteriores: esperei o horário e fui para o portão encontrá-lo com um sorriso discreto e conduzi-lo até onde eu havia estacionado o carro.

Até a quarta, tudo bem. Na quinta, ele estava meio calado. Na sexta, abriu o jogo:
_Quero voltar a pé da escola. Quero retornar em companhia dos meus amigos, pai.
Eu não sabia, mas esse fora um direito conquistado ao ingressar no ginásio, digo, no Fundamental II, desculpe, ainda me confundo.

Bem, natural que eu não soubesse, afinal fui e voltei a pé da escola desde o meu primeiro dia do primeiro ano do primário, que os mais velhos insistiam em chamar de grupo, isso para meu desagrado. Grupo. Eca! Primeiro ano primário era o termo correto, tá ligado?
Sempre pensei que ter o pai levando e buscando no colégio fosse um grande privilégio. Eu era livre, feliz, e não sabia.

Aí sabe como é, né. Sentamos para aquela conversa entre gerações. Expliquei o meu martírio e calvário da infância pobre e um tanto desamparada: Mãe gravemente enferma (morre não morre), pai jovem inexperiente e praticamente viúvo (tendo que batalhar para sustentar a casa e cuidar do moleque numa época onde violências urbanas não nos incomodavam aqui no interior), sol menos nocivo, trânsito mais tranqüilo... blá blá blá, blá blá blá...

E finalmente chegamos a um termo. Falta ainda quatro meses para que ele complete onze anos, esse foi meu trunfo. Todos os meninos de sua turma já estão com os onze completos. Conversaremos novamente quando ele fizer onze... ou doze [...]
_Pai!...
_Desculpe, filho. Estou tentando fazer o melhor. As coisas mudam, tá ligado?

87 comentários:

  1. É.. os tempos são outros e a cada geração sempre iremos ter que dar um grande salto para acompanhá-los.. mas uma coisa tem de ser sempre lembrada.. não criamos os filhos para serem nossos e sim para vida... acredito que essa frase você tenha já ouvido.. pois não é de hoje isso rsrsrs.. mas é uma grande verdade.. por mais que os pais não gostem muito.. as crianças tem que ser preparadas para andarem com as próprias pernas.. isso desenvolve a responsabilidade e independencia, logicamente tudo dosado de acordo com cada faixa etária.. mas quanto mais cedo for lhe dando essa abertura, melhor será para eles.. Eles tem que se preparar para a vida e vivenciar o mundo em que vivem.. com riscos, tropeços, vitórias e tudo o mais que esta vida engloba. Difícil??.. é claro que é.. se dependesse dos pais estariam sempre sobre a proteção.. e de preferência permaneceriam eternamente crianças.. o "filhinho do papai" rsrsrrs.. mas sabemos que não é assim.. e para o bem deles, essa abertura se faz necessária..

    Beijos no coração..
    *verinha*

    ResponderExcluir
  2. @Jefhcardoso
    mto obrigada pelo comentario no meu blog
    mto bom saber que estou sozinha nessa luta!!
    bjus

    ResponderExcluir
  3. Me identifiquei muito com este assunto, minha filha tem 13 anos e ir a pizzaria com a mãe/pai é mico, sair para caminhar na rua nem pensar (eu na idade dela saia sozinha) minha mãe e pai trabalhavam e não podiam se fazer presentes então eu acreditei no início que era o "melhor" que eu poderia fazer, ledo engano, o melhor, digo, o que eles querem é ser independentes...e cabe a nós pais desta geração educar e zelar sem sufocar....mas com o coração apertadinho....rsrs. Deixar ir também é uma forma de amar.
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Olá, obrigada por ter visitado meu blog, dei uma olhadinha no seu e achei muito interessante. Muito legal o envolvimento que vc tem com seu filho, continue assim, precisamos de pais e mães,ligados na vida escolar dos filhos.

    ResponderExcluir
  5. Muito bom o seu blog, quando aos comentários em seu blog pelo que vejo é um sucesso,
    O que eu posso dizer é que independente do gênero as pessoas gostam mesmo é de texto que aproximam elas do escritor e de textos que tem a ver com sua própria realidade cotidiana.
    Olha eu talvez não seja o blogueiro ideal para lhe orientar quando a comentários, mesmo porque sempre me preocupei mais com os acessos que com os comentários, meu blog http://cidadedemarilia.blogspot.com/ é muito bom de acesso porém muito ruim de comentários,
    mesmo porque ele é um blog informativo, apesar de eu divulgar nele meu artigos e poesias.
    Alem disso minha literatura é exige um pouco de safrifício do leitor porque não poesia e artigos que buscam a leitura do contemporâneo:
    http://literaturaimparcialista.blogspot.com
    o que importa mesmo é que gostei muito do seu blog e já estou seguindo-o

    ResponderExcluir
  6. Adorei teu cantinho...Grande abraço...

    ResponderExcluir
  7. Eu lhe entendo perfeitamente, pois já vivencio isso com os meus sobrinhos e imagino o que irei ver ainda dos meus filhos. Realmente, as coisas mudaram...
    Um abraço,
    Adri

    ResponderExcluir
  8. Um comentário simples mas que traduz toda essa situação: filho e pais só mudam de endereço, são todos iguais. rsrs.

    ResponderExcluir
  9. Jefhcardoso, adorei teu texto. O que posso comentar...sempre queremos o que não temos, em qualquer idade em qualquer grupo social, em qualquer geração. Poder escolher, sendo certo ou errado, nos torna mais maduros.
    abraços
    Bernardete

    ResponderExcluir
  10. Jefhcardoso, gostei muito do seu BLOG e também deste post. Me lembrou bastante do tempo que fiz o Ensino Fundamental, naquela época, 1º grau...Como gostam de mudar a nomenclatura, não?
    Penso que você tem toda razão de ficar preocupado em "soltar" seu filho, pois vivemos outros tempos, tempos de bastante violência, mas precisamos preparar nossos filhos para realidade, afinal, não seremos eternos.Grande abraço e fiquei muito honrada com sua visita!!

    ResponderExcluir
  11. Olá,tudo bem?gostei muito!Sinta-se orgulhoso por ser um pai presente.Isso de jovens sentirem vergonha dos pais irem busca-los na escola,não é
    só hoje,na minha época de escola eu já sentia vergonha quando meu pai por a caso passava no grupo escolar e me chamava, para dar dinheiro ou um lanche que havia comprado.Hoje eu daria um dos meus braços para te-lo aquí perto de mim.Eu acho que só perdemos a vergonha de dizer que amamos nossos pais quando eles se vão.desculpe o saudosismo.Um Abraço

    ResponderExcluir
  12. Acho que os adolescentes imginam que ficando sozinhos é sinõnimo de avanço.
    Temos que explicar muita coisa para eles.

    ResponderExcluir
  13. Olá Jefh,

    Parabéns pelo texto. Realemente nos dias atuais é muito complicado deixar nossos filhos criarem asas e voar, como vc mesmo disse, a violência urbana nos deixa temerosos, mas entregue a Deus o seu filho todos os dias e com fé, acredite que as coisas só acontecem quando tem que acontecer. Oriente-o sempre para seguir o bom caminho.

    Bjos fraternos

    Mara Virginia

    ResponderExcluir
  14. Olá jef , Muito obrigada pelo seu comentario no meu blog , foi de suma importancia!!e o q vc escreveu é bem verdade!!!=]

    Menino é verdade eu tenho apenas 23 anos não sou mto experiente com filhos até pq o meu esta com 7 meses mais acho que o seu está muito novo para ir sozinho pra escola tenta segurar mais um pouco!!
    Bom no que precisar estmamos ai!!
    beijos fique com Deus .

    ResponderExcluir
  15. Gostei muito do post, e realmente o tempo sempre traz situaçoes diversas. E as vezes te põe num papel que tu nem imaginava à uns 10 anos atras.

    ResponderExcluir
  16. Jefhcardoso
    Gostei de sua postagem... Parabéns.

    "O homen troca de: casa, carro e religião. Troca de mulher, troca até de coração. Só não troca de time. O homen nasce, vive e morre FLAMENGO".

    "Cada brasileiro é um pouco rubro-negro."

    "O sujeito que não for pelo menos um dia FLAMENGO não viveu. O FLAMENGO é uma força da natureza. Quando o FLAMENGO espirra, é o futebol brasileiro que fica resfriado."

    "Supõe-se que todas as alegrias se parecem. Mas a verdade é que a alegria rubro-negra não se parece com nenhuma outra. Não sei se é mais funda, ou mais dilacerada, ou mais santa. Só sei que é diferente."

    "Passei a encarar o Flamengo também como uma religião."

    "Realmente na minha veia corre o sangue vermelho e preto" - ZICO

    "Só quem é rubro-negro sabe qual é a emoção de torcer pelo FLAMENGO."

    "Não existe outra torcida igual no mundo. São torcedores que acreditam mais do que os próprios jogadores."

    "A camisa do FLAMENGO será sempre a minha segunda pele."

    "O FLAMENGO não é como os outros clubes. Para jogar com aquela camisa tem que ter identificação com o clube. Quem não se sente bem com aquela camisa tem vida curta na Gávea. Não basta apenas ser bom, tem que amar o manto sagrado."

    "Só quem é rubro-negro consegue entender essa paixão."

    ResponderExcluir
  17. Muito bom, Jefh! Meus filhos são adultos, mas sinto muita saudade dessa fase. Bela crônica. Parabéns.

    ResponderExcluir
  18. hahaha adorei!!!! Tenho uma filha de 16 anos e sei como é isso! Afinal tbm já tivemos essa idade! Gostei muito! Me deu saudades da minha infancia em que tudo era puro e eu pensava que tinha problemas! Bj

    ResponderExcluir
  19. OLÁ JEFNCARDOSO, ME DESCULPE O ATRASO EM SEGUI O SEU BLOG E DEIXAR O MEU COMENTÁRIO, POIS AGORA VOU DEIXAR A MINHA OPINIÃO, NOTA 100 PARA VOCÊ, BACANA E BASTANTE INFORMATIVO, SIGA EM FRENTE, E QUE DEUS TE AJUDE E TE PROTEJA, OK MEU AMIGO?

    ResponderExcluir
  20. Olá Jefhcardoso,

    Você possui um dom maravilhoso que é escrever com graça e naturalidade. Seu texto apresenta credibilidade e sentimento. Gostei muito de lê-lo, também me senti lisonjeada por receber sua visita e seu comentário.
    Observei que estás muito bem nessa de blog, tamanha sua lista de seguidores. Parabéns. Tentei descobrir um pouco mais sobre você – em que trabalha, o que estudou, por que escreve, como começou - mas não deixou informações em seu perfil. Que pena!

    ResponderExcluir
  21. Gostei muito de ter dado espaço para falar da relação pais e filhos. Ótimo precisamos dar este acompanhamento,ou seja, conduzí-los, pois não nascem com cartilha pronta. Precisamos ser firmes, mas não duros. Fez me lembrar do raciocínio do escritor e psiquiatra: Daniel Goleman em Inteligencia Emocional, que relata essa relação pais e filhos muito bem, acompanhar e conduzir sempre que possível, porque ensinar mesmo pode ser que vamos gastar energia sem sucesso, eles necessitam da porto seguro dos pais, buscar seus próprios ensinamentos.

    ResponderExcluir
  22. olá!! com certeza vc pode postar seus comentários e textos. fique a vontade.
    adorei seus textos, vc escreve maravilhosamente bem!

    ResponderExcluir
  23. Olá Jefh, obrigada pela visita em meu blog. Vim conhecer o seu e gostei muito.
    Seu texto é muito interessante, e, pela forma clara que conversou com seu filho, parece que vocês têm um ótimo relacionamento, apesar deste "eterno conflito de gerações", né.
    Sou professora do fundamental I (5° ano) e agora estou esperando meu primeiro filho, vou começar a viver este outro lado, o dos pais (rsrsrs.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  24. Verinha, sim. São nossos filhos, mas a vida é deles. Eu sei. Pois é justamente a faixa etária que me faz achar cedo para que ele ande sozinho pela cidade. Ele tem apenas 10 anos e é ainda muito menino. No final do ano passado eu comecei a deixá-lo ir à padaria, que fica a duzentos metros de casa. Já foi um começo. [sorrio]. Iremos com calma. Pressa não é necessária. Abraço e muito obrigado pelo carinho e atenção!

    Alessandra, conte com minha atenção. Abraço!

    Adelaide, que linda essa forma de amar que você definiu aqui. Lindo isso: “Deixar ir também é uma forma de amar.” Abraço e obrigado pelo carinho e atenção!

    Prii, legal! Obrigado! Abraço!

    J.Nunes, falou tudo, amigo. Obrigado por sua atenção! Sucesso!

    Carla Stopa, obrigado! Grande abraço!

    Adri Alencar, prepare-se! Espera! [sorrio]. Nada é fácil não. Abraço e obrigado!

    Fernanda Zamboni, essa é a pura verdade. [sorrio]. Fez-me lembrar Legião Urbana – Pais e Filhos. Abraço!

    Bernardete, isso é bem verdade. [sorrio]. Abraço e obrigado por sua atenção!

    Ione, mas você me entende, né. Difícil isso, eim. [sorrio]. Obrigado pela atenção! Abraço!

    Josy, não há motivo para pedir desculpa. Seu relato é lindo e comovente. Obrigado por compartilhar algo tão íntimo aqui! Grande abraço!

    Maria José, sim. Há muito que ensinar. [sorrio]. Abraço e obrigado por sua atenção, linda!

    Mara Virginia, sim. Eu tenho entregado, todos os dias. Obrigado pelo carinho e atenção. Bjos fraternos!

    Flávia Jheniffer, tudo de bom pra você e seu bebê e família! Sim, o meu bebê está com apenas 10 aninhos. [sorrio]. Muita calma nessa hora. Abraço e obrigado!

    Wagner Sabbado, é verdade. Aconteceu comigo. [sorrio]. Abraço e obrigado pela atenção!

    Ivanio, ufanismos a parte, devo admitir que o time que tinha Zico, Leandro, Adílio, Junior... era mesmo fabuloso e muito bom de se ver os jogos. Tive meus dias. Sou palmeirense. Abraço!

    Nilza Prata, e como são boas e passageiras as fases, não? Obrigado por sua atenção! Grande Abraço!

    Luciana Freitas, muito bom que o texto tenha falado contigo. Obrigado por vir! Abraço!

    Cornélio, ok! Muito obrigado pela grande força, amigo. Conto contigo. Abração!

    Professora Janete, obrigado por seu generoso e atencioso comentário em meu blog! Obrigado por seu apoio! Até breve! Abraço!

    OficinaDasEmpresas, fico feliz que tenha gostado do espaço e até citado este autor dono de um trabalho bastante interessante. Procurarei saber mais sobre ele. Obrigado! Grande abraço!

    Profª Roberta, muito obrigado! Você é muito gentil. Abraço!

    Fatima, prepare-se. Se bem que sua experiência já irá lhe valer muito, com certeza. Obrigado pelo carinho e atenção! Abraço e tudo de bom pra você, seu bebê, e família!

    ResponderExcluir
  25. Espero que a entrevista do terra o ajude a disseminar a idéia de cinvivência na diversidade. O "conflito" com seu filho reflete a diferença de geração, de opinião...
    Vc é sempre bem vindo ao meu blog.

    ResponderExcluir
  26. Jefh, adorei o post. É engraçado como os tempos mudam e para nós os filhos continuam crianças. Eu vivo esse dilema com meu filho de apenas 6 anos. Uma independência só. Já pediu várias vezes para eu não falar com ele na escola como se fosse bbzinho pq os coleguinhas ficam sorrindo depois rs. Confesso que fico me policiando. A última dele foi pedir-me para voltar pra casa de ônibus igualzinho os amigos fazem... Imagina a situação rs. Mas o gostoso é qd há diálogo... Aos poucos e com paciência eles vão entendendo.

    Bjs doces e obrigada por visitar meu cantinho.

    ResponderExcluir
  27. Olá! :D
    Pode visitar o meu blog sempre que quiser, okay? :)
    Adorei suas crônicas são muito bem elaboradas e bem escritas! Parabéns pelo blog e pelo seu trabalho! Porém, acho que o número de textos na frente, logo na página principal deixa o seu blog um pouco grande demais.. E dá a impressão de que não tem fim.. Isso em minha opinião é cansativo e ruim.. Meu conselho é que você diminua o número de postagens na frente do blog, colocando um "Arquivo" para separar suas postagens.
    Um abraçoa grande, espero que volte ao meu blog sempre que quiser! És MUITO bem-vindo à ele!
    :D

    ResponderExcluir
  28. Olá Jefh, vim retribui a sua visita e agradecer seu belo comentário.
    E confesso: Adorei seu blog!!!
    E vc tem tannnnnnntos seguidores, mas acabar da ganhar mais uma ;D
    Pelo pouco que vi, já estou encantada.
    Muito sucesso pra vc.
    Fica sempre com Deus.
    Beijokinhas

    ResponderExcluir
  29. Olá Jefh,tudo bem? Em primeiro lugar estou aqui,para lhe agradecer pela visita em meu blog...fiquei feliz,pois cozinhar é uma das "atividades" que mais gosto,sendo seguida por gostar de escrever. Quando entrei aqui(adorei seu blog) não pude deixar de ler o que escreveu,e com certeza todos os filhos são iguais,só mudam de endereço.Tenho 2 "menino"...26 e 20 anos,e como sempre eles não gostavam que eu fosse buscá-los na escola,queriam voltar a pé com os amigos...só que antigamente (não muito tempo não rsrsrs)era tudo mais tranquilo,os bandidos,ladrões eram bem menos,não apareciam durante o dia,e quando apareciam eram em lugares mais isolados...depois mudou tudo,não se pode deixar as crianças e nem os adolescentes soltos...num piscar de olhos tudo pode acontecer...Vou parando por aqui,senão quem vai escrever uma crônica ou um conto sou eu! Prazer em conhecê-lo...fique com Deus...Abraços!!! Maria Beatriz.

    ResponderExcluir
  30. oi, Jefh, adorei sua visita no meu blog e já estou aqui, lendo o que você escreveu.Parabéns pelo blog! Vou ser sua seguidora, entre os inúmeros que vc já tem....Nesta relação pai(mãe) e filhos, é muito importante a conversa, o diálogo, mostrar-se amigo, como vc fez .É isso aí, o tempo vai mostrar que sua dedicação valeu a pena. Abraços.

    ResponderExcluir
  31. Olá Jefh, fiquei muito feliz por ter feito um comentário muito bacana em meu Blog. Obrigada!
    Sou professora atualmente da Educação Infantil, mas já dei aula para Ensino Fundamental I e II e Ensino Médio. Minha preferência mesmo é trabalhar com os pequenos.
    O seu texto: "O Ginásio e o Fundamental II" fala da transição em que toda criança passa ao longo de sua vida,neste caso, deixando de ser criança para assumir a adolescência que é uma época de inúmeras transformações, tanto físicas como psicológicas. Em nossa infância fazíamos de tudo, nada aos olhares de nossos pais era tão perigoso, ou não se podia fazer em determinada idade, cuidavamos de nossos irmãos mais novos enquanto nossos pais iam trabalhar, ficávamos sozinhos em casa, atualmente muitos acham isso um absurdo, contratam pessoas para tomar conta das crianças, quando pequenos a gente limpava a casa, lavava a louça e até cozinhava para toda a família, hoje se deixarmos as crianças sozinhas e fazendo os trabalhos domésticos, somos convocados a comparecer no Conselho Tutelar e prestar esclarecimentos. Realmente o tempo mudou, o mundo mudou, nosso filhos estão crescendo em um mundo totalmente novo, onde infelizmente desconfiamos de tudo e de todos, queremos proteger nossos filhos mas, esquecemos que eles estão crescendo e tem que adquirir autonomia para poder se virar sozinho e enfrentar o que chamamos de Sociedade.
    Um grande abraço e mais uma vez Obrigada!!!!

    ResponderExcluir
  32. Olá Jefh,fui convidada por você a comentar e aqui estou.
    A realidade é que apesar das diferenças de gerações,que são inevitáveis a cada novo ciclo de vida, o jovem no fundo gosta de ter limites,de ser cuidado. Faça a experiência de se calar e não ligar.
    Tenho uma filha de 17 anos e quando eu fico muito quieta,lá vem ela me pedir opiniões sobre isto ou aquilo.
    E se ainda assim não falo nada,ela fica intrigada comigo,insiste e ainda diz que faz questão da minha opinião,que precisa dela.
    Acho que isto vai além da relação "pais e filhos". É sim, muito amor e zelo com liberdade consciente.
    Um abraço
    Bia
    P.S. Já estou te seguindo aqui em seu blog e gostaria de lhe convidar a me seguir no meu também!
    http://um-cantodemar-pra-se-viver.blogspot.com

    ResponderExcluir
  33. É...essa é a dura realidade da modernidade! E cria-se um dilema: adaptar-se ou não?

    Essa sua crônica é o reflexo do que se tornou a sociedade moderna e, por consequência, seus cidadãos.

    E outra. Não importa a idade que seu filho tenha, pois você sempre vai querer estar perto dele, assim deixe ele completar os 12 anos, e quando isso ocorrer aumente mais um ano e assim você vai levando...heehhe...

    ResponderExcluir
  34. Jefhcardoso sou grata pela sua participação. Li o texto e observo que embora sejamos de regiões diferentes,as situações são semelhantes.Pois tenho ouvido de amigos e colegas. Rondai P. da Rocha no seu livro de Ensino de Filosofia e Currículo diz" a escola é um mundo diferente, pois nele a criança experimenta novas regras de convivência social, diferente daquelas que vigem no âmbito da família...é isso.Abraço, Celsa

    ResponderExcluir
  35. Engraçado como a gente muda. Acho que esse conflito de gerações é justamente o maior problema de todos, pq mesmo que todos nós já tenhamos sido adolescentes (ou pré), é um pouco difícil lembrar como agíamos, não? Apesar disso, lembro muito bem de minha mãe me buscando na escola, e todo mundo indo sozinho. E a única certeza que eu tinha era a de que eu não tinha nenhuma outra opção!

    Beijinhos!!

    http://mmansur.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  36. Olá Jefh. Aceitei o convite e vim aqui retribuir o carinho. Obrigada pelo comentário. Gosto de ler sobre tudo. Agora estou me aventurando a escrever. Procuro fazer ouvindo a voz do meu coração e aí... Vc viu no que deu. A respeito do teu texto, este ano tive que levar meu filho de três anos para escola pela primeira vez... Meu Deus! Não deixa de ser assustador. Imagine para quem tem filhos maiores que pensam que já sabem tudo!

    Vim, vi e gostei! Agora estou na sua cola.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  37. Ser pai de verdade hoje em dia é um grande desafio. Compreendo o seu filho querer a 'independência',as nossas crianças estão envelhecendo rapidamente. Isso mesmo, envelhecendo, não amadurecendo. Embora você tenha ganhado um crédito de mais quatro meses, até ele completar 11 anos, penso que o ideal não seja impor alguma coisa, mas mostrar para o seu filho que você confia nele e que ele pode confiar em você. Como educadora, te afirmo que explanar as preocupações por conta de uma sociedade cada vez mais banalizada não vai assutá-lo ou intimidá-lo ou fazer com que ele "grite seu nome caso tenha um pesadelo no meio da noite". Muito pelo contrário... E isso é natural da idade. Você precisará ter um jogo de cintura muito grande... e pelo que entendi na postagem você está um pouco sobrecarregado. Mas Deus não o levaria aonde a graça Dele não pudesse alcançá-lo. Talvezs algum programa de pai e filho, não quie você tenha que 'tentar ter a idade dele' ou que ele 'amadureça' para compreender seus motivos. Você é o pai dele. E isso deve ser motivo suficiente para ele não achar que é um 'mico' você buscá-lo na escola e tal... Como se fosse uma carta branca. Um voto de confiança... Claro que pela idade é provável que em algum momento ele o decepcione. Aí entra a punição... que talvez onde há um diálogo aberto se torne apenas um silêncio por um tempo... A questão é que ele vai crescer, os amigos vão aumentar... e se você puder ter esses amigos em sua casa, ou levá-los a qualquer lugar ou simplesmente buscá-los, ainda que de vez em quando, ele se sentirá mais seguro... Trata-se de não conquistar apenas o seu filho, mas os amigos dele. Não vai ser fácil... Todo mundo quer seu espaço, todo mundo quer ser adulto e poder controlar a pprópria vida...rs. mas quando a gente cresce,rs, a gente vê que a coisa não é tão simples assim....
    Não obrigue o seu filho a estar com você, a querer sua amizade ou sua companhia, conquiste isso nele! Ele tem apenas 10 anos... há uma longa jornada pela frente... Diga a ele que quando ele tiver 11 anos você dará a ele o voto de confiança! Não volte atrás nesses 4 meses. O que você disse, está dito. Mas faça com que esse percurso deixe saudades depois...
    A nossa juventude precisa aprender a lidar com a liberdade. Gostei muito da sua postagem! Você não é um pai permissivo. Parabéns! Há poucos anos você era o maior herói do seu filho... Não deixe isso se perder...
    Sucessos!
    Paciência e perseverança!!!!

    ResponderExcluir
  38. Primeiramente, agradeço a visita e o comentário que deixou em meu blog... Volte sempre que quiser... Gostei muito do seu blog, li alguns textos... é, não deu pra ler todos(ainda), pois são muitos... mas com certeza aos poucos irei lendo. Gostei muito do que li... Com certeza voltarei mais vezes...

    Sucessos.. E Felicidades sempre...

    ResponderExcluir
  39. to ligadíssima..
    e também sempre fui sozinha e a pé pra escola desde o primeiro dia..

    bjs.Sol

    ResponderExcluir
  40. Olá Jefh!
    Muito interessante seu texto...eu sempre analisei as mudanças pelo lado pedagógico..não pelo lado maternal..rsrs meu filho tem 6 anos e tenho certeza que esta fase logo chegará aqui!!
    Infelizmente eles crescem e a geração não é a mesma...As relações familiares não são as mesmas...mas acredito que a diferença é esta conversa...este resgate...não podemos fechar os olhos e dizer " ahh essa geração de hj é muito diferente" É diferente sim...mas asim como vc vou tentar passar ao meu filho esses valores...
    mudam-se os anos...as nomenclaturas da escola...mas o conceito de família não deve mudar!!
    Abraços.
    An@!!

    ResponderExcluir
  41. Olá!!!Vim agradecer a sua visita no meu blog,confesso que me surpreendeu,pois homens neste universo artesanal é raro!!!Obrigado pelo carinho,aguardo novas visitas!!!Bjs

    ResponderExcluir
  42. Olá! Amei o seu cantinho! A crônica perfeitinha, me identifiquei muito, pois tenho filhos: Mateus 15 e Elias Junior 13. Gosto muito de escrever, mas tenho medo que as pessoas leiam. Eu escrevo poesias e textos sobre a minha vida, mas ficam todos no caderno. Agradeço pelo seu comentário no meu cantinho. Muitas bênçãos p/ ti!!

    ResponderExcluir
  43. Oi, jefh adorei seus textos, eu já havia comentado, mas estou retornado depois que vi seu comentário no meu blog. Realmente gosto muito de poesias e gostei muito dos pensamentos que você postou. Se puder, vou postá-los no blog. Parabéns!
    Abraços.
    http://fadacriativa.blospot.com

    ResponderExcluir
  44. é sei como é complicado para seu filho
    ele esta crescendo quer novas experiência com seus amigos. temos novos
    abçs

    ResponderExcluir
  45. Na infância tive muita liberdade. A partir dos nove ia sozinha a escola, ao cinema, andava a cidade toda a pé,mas o mundo era bem menos violento que hoje. Meus filhos têm 16 e 18, saem sozinhos, andam de bus, mas nos fins de semana o pai leva e busca pra onde eles quiserem e graças a Deus não acham mico, kkkkk. É preciso soltar as rédeas aos poucos, até hoje me preocupo mas invariavelmente os entrego a Deus, digo em voz alta: Deus te abençoe, Deus te leve e te traga. Sugiro que vez ou outra você concorde em que ele volte "sozinho" e o acompanhe escondido para sentir a segurança dele.

    ResponderExcluir
  46. Priscila Boy, obrigado! Grande abraço!

    Walquiria, mas me diga uma coisa, os amigos dele também estão com 6 anos? Sim, o dialogo é um grande sabor nisso tudo. Abraço e obrigado!

    Kamilla Meireles, muito obrigado. Experimentarei mudar a pagina inicial para que carregue mais rápido para os visitantes. Abraço!

    Ana Paula, obrigado por seu carinho e atenção. Seja muito bem vinda! Beijokinhas

    Bia Barbano, aproveite o impulso e faça uma crônica sim. Não se esqueça de convidar-me para a leitura. Creio que temos nos filhos os bebês que eles um dia foram por toda vida. Obrigado e abraço!

    Gilda Maria, eu estou tentando. Entre erros e acertos, estou tentando. [sorrio]. Obrigado pela atenção e apoio! Seja muito bem vinda! Grande abraço!

    Professora Soraia, eu também fui criado fazendo as tarefas domésticas. Quando criança, eu adoraria que o conselho tutelar visitasse os meus pais. Quem me dera! [sorrio]. Brincadeirinha. Os tempos são outros. Temos que nos moldar. Tudo muda o tempo todo. Obrigado por compartilhar aqui! Um grande abraço!

    AnaBia, muito obrigado por sua atenção, apoio, convite e carinho! Lembrarei do seu conselho, mas hoje não estou preparado, vai que o moleque volta sozinho enquanto eu o espero. Seria um baita susto. [sorrio]. Abraço!

    Adriana, penso que aos 12 anos o menino já não mais aceitará prorrogação. Mas falando sério, penso também que ele estará mais maduro, mais atento ao trânsito, e mais capaz de defender-se ou mesmo esquivar-se em certas situações de rua. É isso. Obrigado por sua atenção. Grande abraço!

    Celsa, é bem verdade. É outro mundo, do qual só chega até nós os rumores. Temos que ter habilidade para acompanhar e intervir da maneira mais adequada e produtiva. Obrigado e abraço!

    Mariana, eu ia com todo mundo. Via quem era buscado pelos pais. Pensava que aquilo era um cuidado, um carinho. [sorrio]. Obrigado por sua atenção! Beijinhos!

    Malu, nada é fácil nesta vida de pais e filhos. [sorrio]. Seja muito bem vinda! Obrigado e um grande abraço!

    Profª Vanessa Vidal, pois é, eu confio nele, mas o acho ainda um pouco imaturo para as ruas. Nem me sinto sobrecarregado, apenas fiquei surpreso com a nova situação. Ele não parece temer mico, pareceu-me mais é vislumbrado com o mundo da adolescência que se descortina, os amigos ganhando as ruas, as meninas mais atraentes, a rua acenando como um lugar cheio de descobertas a serem feitas... Quanto aos amigos dele, já temos por habito convidá-los à nossa casa. Ele sempre me procura para tratar das novidades. Temos uma relação, acima de tudo, de amizade. A postagem puxa pelo humor da coisa. Olhe, também adorei o seu comentário. Uma das coisas mais gratificantes da blogagem é receber comentários. O seu, todo cuidadoso em ajudar, contribuir, foi algo marcante. Muito obrigado. Você é muito gentil e atenciosa. Espero ter mais comentários de sua parte para me deliciar em responder. Um grande abraço!

    UmaVidaInventada, que bom que gostou. Foi um prazer lhe visitar. Espero que comente mais vezes. Obrigado por sua gentil atenção! Grande abraço!

    Solange, que bom essa ligação. [sorrio]. Obrigado pelo carinho de sempre, linda! Grande abraço!

    An@, obrigado por sua atenção e apoio. Os tempos mudam, nós somos os mesmo que foram os nossos pais. Ou não somos? [sorrio]. Abraço!

    Carla Ribeiro, legal isso que disse sobre o universo artesanal. Gostei. [sorrio]. Grande abraço e obrigado!

    Maria, não tenha medo. Compartilhe os seus escritos. É muito bom fazer isso. Obrigado por sua atenção e carinho! Grande abraço! Bênçãos!

    Gilda Maria, será uma honra figurar entre suas postagens. Não se esqueça de me convidar para ver. [sorrio]. Grande abraço e obrigado!

    Messias Daniel, tudo isso faz parte de uma caminhada. Estamos aí é pra caminharmos mesmo. Grande abraço, amigo! Obrigado pela atenção!

    Bete Meira, isso tudo é fantástico. Muito legal. Sabe, eu pretendo ir soltando ele sim, em doses homeopáticas. [sorrio]. Grande abraço! Obrigado, linda!

    ResponderExcluir
  47. Eu já passei por tudo isso rs.
    Casei meu filho de 24 anos no dia 22 de janeiro rs. Agora tenho a caçula de quase 16 anos,esta namorando.
    Esse é só o começo rs.
    Fiquei feliz com sua visita,engraçado, a impressão que eu tive é que vc que sumiu rs.
    Bom te ler meu querido amigo.
    Beijokas milllllllllllllllll.

    ResponderExcluir
  48. Jefh gostei do seu comentário, e também de sua psicologia, parabéns, estou te seguindo, meu blog é novo me segue também, deve ser muito bom ver esse crescimento dos filhos, a mudança em tudo, desde o corpo até as atitudes, apesar de as vezes nos dar um pouco de receio, e essa sua experiência nos mostra que tudo se organiza no tempo certo, um dia eu quero ter meus filhos, eu quero acompanhá-los na escola, mas esse tempo ainda não chegou, ainda não me sinto preparada para o papel de ser mãe.
    abraços Drika bresil.

    ResponderExcluir
  49. Oi Jefh!!
    Primeiramente quero agradecer sua visita ao meu blog. Em segundo, quero parabenizá-lo pelo seu. Que delícia de texto! É uma análise poética da vida escolar e da pré adolescência no passado e no presente. Nossos filhos crescem e mal percebemos que ficamos velhos, e só um pouquinho ultrapassados! Nos dias de hoje não da para não cuidar dessas criaturinhas que pensam que já são gente grande!! rsrs
    Um grande abraço,
    Juli

    ResponderExcluir
  50. Olá!
    Gostei muito do seu blog e já me tornei seguidora.
    Também tenho um filho de 9 anos e ele se comporta da mesma maneira.
    No ano passado ele ia e voltava de vã, esse ano não quer mais,até ontem eu lavava e buscava.Agora só levo, KKKK... parece que a gente vai perdendo espaço na vida deles.
    Me preocupo bastante,fico sempre insegura,mas sei que sou o alicerce da vida dele.

    ResponderExcluir
  51. Flor, preciso da sua ajuda!
    Estou participando de uma promoção, e preciso de muitos acessos!
    SE puder me ajudar eu agradeço demais!
    É só clicar neste link
    http://bit.ly/e2EWNQ

    é só clicar e pronto!
    Me ajuda????

    Bjoss
    Ah, em troca da sua ajuda, to fazendo o PRIMEIRO SUPER SORTEIO NO KPRICHEI!
    ;)

    ResponderExcluir
  52. gostei da leveza da tua narrativa, ela 'desliza' pelos olhos, 'tá ligado'?

    Estou gostando muito do espaço, obrigada por compartilhar.

    Abração.

    ResponderExcluir
  53. Oi Jefhcardoso, tudo bem?
    Obrigada pela visita em meu blog!!!
    Acho que você agiu muito bem com o seu filho!!!
    Sentar e conversar é o melhor caminho!!!
    Um Abraço
    Paulinha

    ResponderExcluir
  54. Parabéns pela maneira como escreve. Gostei de sua crônica, depois, com mais tempo, lerei outras. Mas é assim mesmo, os filhos crescem e as coisas mudam...tenho duas, uma de 20 e outra de 17, mas ainda não me acostumei com as mudanças. É tão bom quando são pequenos e nós temos eles sempre por perto...parabéns pelo blog. Abraços!

    ResponderExcluir
  55. Muito obrigada pelo comentário no meu blogue! Gostei imenso deste seu 'post' pois retrata bem aquilo por que passamos com os nossos filhos quando entram na pré-adolescência!! Contudo, nunca fui muito de estar 'em cima' dos meus 2 filhos... Preferia ficar a 'ver' de longe...

    ResponderExcluir
  56. Amei tua visita e o comentário no meu blog. Tua crônica retrata mt bem o inicio da independencia escolar de nossos filhos, já passei por isso e sei mt bem, vc é um poeta completo, parabéns!

    ResponderExcluir
  57. Nós professores vivemos a cada dia pequenos passos nestas mudanças. Fascinante :)

    abraço!

    ResponderExcluir
  58. um blog bem animado ou a família é grande mesmo?
    :o)

    ei, acho que quem tem filho acaba enfrentando esse rito de passagem.
    a gente sabe mas na hora que vive é estranho, né?

    e tá acontecendo cada vez mais cedo......
    c´est la vie!!!

    visita retribuída!
    beijos e boa semana

    simone gallego
    www.embuscadepoesia.blogspot.com

    ResponderExcluir
  59. 2414, então.... (tem que digitar rápido pra naum errar o número!)

    :o)

    ei vc é de ituverava! tem um amigo meu que é daí, apesar dele morar em sampa (capital).
    dirceu d´alkmin telles.
    será que ele tá nesses 2413?

    :o)
    (vc tem a cidade toda em teu blog! agora entendi!)

    ResponderExcluir
  60. Olá Jefhcardoso, tudo bem?
    Obrigada pela visita no blog.
    Parabéns por sua belíssima crônica. Eu me emocionei de volta ao túnel do tempo, pois
    até parece que você me conhece e retratou a minha vida em forma literária.Aos 15 anos minha mãe começou a fazer hemodiálise e vivemos na insegurançaaté 1993. Nossa! Sofremos muito.
    É, meu amigo, realmente passamos pelas mesmas fases: agora meu filho mais velho está no 5ºano e quer ser independente, já é responsável e companheiro do irmãozinho dele.
    Cabe, a nós pais, orientar nossos filhos porque a violência alarma a tranquilidade cotidiana mesmo nas cidades pequenas.
    Olha, temos é que repetir lista de regras de nossos pais,acrescentar mais normas e deixá-los nas mãos de Deus.
    Obs.: Pretendo trabalhar sua crônica na sala de aula.
    Um grande abraço!
    Geisa

    ResponderExcluir
  61. Adorei o texto. É perfeito. Sempre me pego comparando as crianças que fomos as que vemos nos dias de hoje e tanta coisa mudou. Gostei muito mesmo viu

    ResponderExcluir
  62. pois é Jefh espere eles chegarem aos 17/18 anos e vc vai ver como as coisas se complicam rsrsrsrsrs desculpe não te deixar muito animado rsrsrsrsr mas são as mudanças que não param Os meu ainda não chegaram em casa e são 22h Já liguei e ouvi um: Tamo indo! e eu fico esperando ouvir: Já chegamos! rsrsrsrsrs Tb tenho a sensação que vc sumiu!!!! Será a fase da criação q consome nosso tempo???? saudades abraços

    ResponderExcluir
  63. Esse é o famoso início de 'responsabilidade e amadurecimento'. Sei muito bem qual a sensação de ir sozinha pra escola pela primeira vez, lembro-me bem do meu primeiro dia! Imagino a vontade que ele tem de ir e voltar com seu 'grupo'.
    Fases.
    Isso serve pra lhe mostrar que seu pequenucho está CRESCENDO!

    ResponderExcluir
  64. Olá Jefhcardoso!
    Tudo bem?Obrigada por sua visita e recado no meu blog.
    Parabéns pelos belíssimos textos.
    Posso postar sua crônica em meu blog? Pretendo analisar sua crônica "O GINÁSIO E O FUNDAMENTAL II" com meus alunos na sala de aula.
    A mensagem dela me fez entrar no túnel do tempo. como as ações e fatos são comuns a tantas pessoas? Você é excelente! Acho que deveria participar de concursos.
    Um grande abraço!
    Geisa

    ResponderExcluir
  65. Fico muito feliz por tu seres assim:
    Uma pessoa bastante autêntica, esforçada,
    QUE PRATICAS SEMPRE O BEM MAIOR.
    Um abraço fraterno. Parabéns por seu Blog.

    ResponderExcluir
  66. Olá amigo atendie ao seu convite, visitei seu blog achei interesantissimo os seus textos e me identifiquei muito com o primeiro; voltei a minha infância. Parabèns... Ah, estou seguindo teu blog e obrigada pela visita, um abraço.

    ResponderExcluir
  67. Jefh
    obrigado pela vista no blog.
    Já estou seguindo.
    beijos

    www.meulivrorosa.blogspot.com

    ;p

    ResponderExcluir
  68. Olha!! Obrigada pela passa no meu blog! ^-^
    Amei o seu comentario.
    Nossa o seu blog é dez!
    Amei o post, serio!
    To te seguindo ^-^

    ResponderExcluir
  69. Adorei os se posts e lógico, o seu blog... Estou te seguindo pq quero ler mais os seus post

    ResponderExcluir
  70. Olá,Jefh! Gostei das imagens e dos sentimentos expressos nas idas e vindas. Parabéns!
    Solange.

    ResponderExcluir
  71. Pérola, bom te ver! Legal sua experiência! Obrigado por compartilhá-la aqui. Vamos concordar no seguinte: sumimos dos respectivos blogs. [sorrio]. Abraço! Obrigado!

    Drika bresil, sim, é muito legal. Obrigado por sua atenção e por compartilhar aqui. Estarei acompanhando o seu blog sempre. Grande abraço!

    Juli, que gostoso isso tudo! Obrigado por sua delicada atenção e gentileza! Grande abraço!

    Gilmara, somos cuidadores, educadores e incorrigíveis super protetores. [sorrio]. Abraços! Obrigado!

    Jordana Lima, negócio feito. Quanto a flor, posso ser um lírio? [sorrio]

    Dhenova, que bom que gostou. Espero que leia e comente outros textos. Seria muito prazeroso responder-te mais. Grande abraço!

    Paulinha, tudo. Sim. Muito obrigado! Grande abraço!

    Prof.ª Helena, sim. Tudo muda o tempo todo. É preciso aproveitar ao máximo cada fase. São estas as coisas boas da vida. Obrigado por seu carinho e atenção. Abraço!

    Angelina, sim. Cada qual com seu jeitinho, e o carinho, as inseguranças, o apoio, é o mesmo. Grande abraço e obrigado por compartilhar aqui!

    Edilene, muito obrigado! Você é muito gentil. Abraço!

    Suzana Gutierrez, obrigado por sua atenção! Grande abraço!

    Simone Gallego, família grande, muita disposição, generosidade geral... [sorrio]. Obrigado pela atenção e apoio. Abraço ao Dirceu que não conheço! Abraço!

    Geisa, obrigado por sua atenção! E pelos dois comentários. Estarei postando os dois, pois notei algumas diferenças de conteúdo e cada um fora escrito em um determinado momento. Será uma honra ter um texto em seu blog e ainda sendo trabalhado em sala de aula. Você é muito gentil, e seu apoio me enche de ânimo. Grande abraço!

    Amanda Oliveira, que bom que gostou! Um grande abraço! Obrigado!

    Eliana Romeu, é mesmo assim. Sempre estamos nos preocupando com os filhos que, cada vez mais, se tornam independentes. Sim, tenho faltado com os amigos, mas não é por falta de lembrar-me. É que são tantas as coisas que nos absorvem o tempo, que acabamos tendo pouco tempo para curtir os amigos. Grande abraço! Obrigado!

    Jéssica do Vale, eu sei. Tenho vontade de deixá-lo á vontade também. Com o tempo as coisas irão acontecendo. Tudo com calma. Obrigado por sua atenção! Sucesso pra você! Grande abraço!

    Sandra Cristina, obrigado! Um abraço fraterno também!

    Doriane Pedrosa, seja bem vinda! Espero que goste de outros textos. Obrigado por sua atenção e apoio!

    A Leitora, sou eu quem lhe agradece. Seja bem vinda! Espero que goste. Um grande abraço!

    t-channel, obrigado! Seja bem vinda! Você é muito gentil. Um grande abraço!

    Eudes Amâncio, obrigado! Seja bem vindo! Espero que leia e comente outros textos. Será um prazer lhe responder. Grande abraço!

    Solange Barifouse, que bom que curtiu! Muito obrigado por sua atenção! Leia mais. Será um prazer lhe responder. Abraço!

    ResponderExcluir
  72. Olá Jefhcardoso!
    Veja sua oportunidade de participar de um concurso. Postei essa informação no meu blog hoje à tarde.
    Veja o site abaixo:
    Fonte: http://www.euvocetodospelaeducacao.org.br/?p=1705
    Um grande abraço!
    Geisa

    ResponderExcluir
  73. Bom dia, mesmo quando deste lado do oceano chove, faz vento efrio.
    Obrigada pelo seu comentário no blog da minha escola.
    Vim espreitar e gostei.
    Eu estou do outro lado, sou a professora de meninos da idade do seu filho ou um pouco mais que vê os pais a levar os filhos. Que os vejo a eles a quererem crescer e mostrarem a sua autonomia/independência. Alguns sufocados de tanta protecção e outros tão sózinhos...
    Mas também sou mãe e percebo o que custa deixar crescer.
    A pouco e pouco temos de os deixar mostrar que sabem crescer, que estão aptos a enfrentar a vida porque custa-me tanto sentir o aperto de alguns que vivem agarrados aos pais de tal forma que estão tão sózinhos.
    Mas os tempos são outros e nós temos mais medo que eles.
    Boa crónica fiquei fã.

    ResponderExcluir
  74. Vivo num interiorzão, cidadezinha de 7 mil habitantes, meu filho de oito anos, todo ano diz, "- ano que vem vou sozinho, né mãe?", e eu vou adiando, dizendo que só quando ele estiver com 10 e sigo revezando com uma vizinha no levar e buscar as crianças. Minha filha que hoje tem 26 anos e meu fiho de 18, na idade dele já eram independentes no quesito ida para escola. O que houve comigo? Ou será que a violência bate tanto na nossa cara que ficamos covardes? Abraços e obrigada por me seguir. Me diz uma coisa: como vc consegue tantos seguidores????

    ResponderExcluir
  75. Estou aguardando a sua visita no meu blog.
    Há postagem que talvez não lhe interessem, mas hoje postei um vídeo sobre a minha Ilha das Flores; no arquipélago dos Açores.
    Lavei a alma com o poema que fazia parte do vídeo.55 anos longe daquele mundo, sem nunca ter voltado, dói como arpão, aquele que os baleeiros usavam na caça à baleia.
    Acho que vai gostar...

    ResponderExcluir
  76. Obrigada por comentar em meu blog, Jefh.
    Gostei muito do seu texto pois me remete a minha própria infância. Nunca considerei nada demais ir a pé para o colégio desde a 1a. série. Essa era a rotina da maioria das crianças de nossa idade na década de 70. Pronto! Entreguei minha idade...ou quase. Ha, ha, ha. Hoje minha filha de 8 anos também me questiona constantemente sobre eu levá-la e ir buscá-la de carro diariamente. Minha resposta sempre é um pouco parecida com a sua:"Aguarde até você completar 12 ou 13 anos". Noto que ela não fica muito contente com a resposta...Finjo não perceber.
    Como professora, observo que essa nova geração quer a independência o quanto antes: no falar, no agir, no estudar, etc. Será que é influência das novas tecnologias? Com meses minha filha já manuseava o mouse com mais habilidade que muitos adultos, muitas crianças em suas escolas (públicas e particulares) já têm acesso ao computador & internet desde o fundamental I, as televisões de tão modernas são também computadores, e por aí vai...Talvez tenhamos que nos acostumar com tanta independência em tão tenra idade.
    Embora nós pais estejamos preocupados com a violência, com os perigos da sociedade contemporânea, com o bem-estar de nossos pimpolhos. Eles, do alto de sua sabedoria e com toda sua inocência querem a liberdade...
    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  77. Obrigada pelo comentário no blog!
    Ainda não sou mãe... mas lembro-me de alguns alunos nessa fase de transição... realmente, é muita mudança: de 1 para vários professores; da professora que passava o período todo com a criança e, de repente, o tempo de convivência passa a ser de 50 min... e eis que a lousa já é apagada...
    Abraços!

    ResponderExcluir
  78. Jefh,

    Adorei teu texto. Você escreve de tal forma que favorece a identificação, que acompanhemos pai e filho neste retrato de vida.
    Achei justa a negociação rs.

    Em tempo:

    A fotografia que acompanha a postagem da poesia "A Dimensão do Espaço" e retirado da net rs.
    O comentário q fez está na postagem certa, então não entendi as desculpas rs.
    Vai ter que voltar e ver de novo.

    Aproveito e te convido a ler "Beijar teu corpo" e uma entrevista que postei ontem.

    Andei meio "fora do ar" e estou com saudades de tudo e de todos o que inclui tua escrita;
    Bom passear por aqui.

    Beijos e até,

    ResponderExcluir
  79. Obrigada pela visita no meu blog...
    Ai, tenho um filho de 9 anos e quando ele vier com este papo pra cima de mim, acho que vou surtar!!!!!

    ResponderExcluir
  80. Geisa, irei conferir. Obrigado! Grande abraço!

    Prof. MJoão, é muito legal ver que em todos os lugares os conflitos e expectativas entre pais e filhos são iguais. E concordo que não é bom trazer os filhos muito agarrados, pois precisam ter experiências pessoais para se desenvolverem. Obrigado por seu gentil comentário. Foi um prazer lhe receber. Um grande abraço!

    Renata Arantes, não creio que seja por covardia, mas sim pela violência que nos aterroriza o tempo inteiro. Sobre os seguidores, são pessoas generosas que me brindaram com sua atenção. Obrigado e um grande abraço!

    ASenhoraDasIlhasDeBruma, aceito o seu convite. Será um prazer! Um grande abraço e muito obrigado!

    IACYPROF, éh... às vezes temos que fazer que não percebemos o desapontamento deles. [sorrio]. Como pai e observador, eu noto e concordo que é uma geração muito precoce mesmo. Creio que isso ocorra por serem muito estimulados e terem oportunidade de participar da sociedade com mais relevância do que tivemos em nossas infâncias. Obrigado e um grande abraço!

    Helen Milene, sou eu quem lhe agradece por você lembrar-se destas mudanças. Obrigado por sua atenção e contribuição! Grande abraço!

    Anna Amorim, que bom! Estou indo conferir agora. Quanto ao que disse sobre ser justa a negociação, estou tentando. [sorrio]. Até!

    Cintia Paya, prepare-se para a adolescência. [sorrio]. Obrigado por sua atenção! Grande abraço!

    ResponderExcluir
  81. Minha mãe me buscava na escola a pé. Eu ia na frente com meus amigos, fazendo algazarra, e ela atrás, só observando hahaha
    Obrigada por ter passado no meu blog. Adorei o seu texto. :)

    ResponderExcluir
  82. Atenção, seu filho vai te ler! Os tempos mudam... rsrs
    Gostei do texto!

    ResponderExcluir
  83. jeff entre em contato comigo em joaovictor_rv@hotmail.com para min te propor um parceria

    ResponderExcluir
  84. ou em http://instoeincrivel.blogspot.com pelos comentarios

    ResponderExcluir
  85. Jefh..meu querido amigo..eu devia ter lido esta cronica antes.
    Vou te dizer uma coisa..não se assuste: Vai piorar..rs
    Aquela transição do ser criança ao ser adolescente é fogo. É fogo pq achamos que eles ainda são crianças.
    E não são.
    Minha filha é um pouco mais velha que a sua.
    Ai vem as baladas....a questão dos horários..
    Vc quer ir as 11 e ela quer voltar as 2.
    Agora ja é as 4.
    Fulano de tal bebeu, fulana de tal fumou...
    Ja não querem ficar mais com os pais.
    Eu sei..faz parte do crescimento.
    Mas p dificil é explicar o perigo do mundo de hj.
    Outro dia eu não queria deixa-la ir a um barzinho,
    ela argumentou: Mãe, eu sou a Bruna em qualquer lugar. Sou a Bruna na pizzaria, na casa da Nati ( amiga dela ), e sou a Bruna no bar.
    Vc não confia em mim?
    Claro meu amor. Que horas mesmo é pra ir te buscar..
    É f...

    Tb tenho muito carinho por vc e pelo seu blog.

    Um abraço sua amiga, parceira...rs

    Ma

    ResponderExcluir
  86. nossa adorei essa postagem sua *-*
    éé cara, os tempos muudam.. tenho apenas 20 aninhos.. e nao me canso de ouvir as 'historias' qe os meus pais e meus avós contaam, aqelas da época qe eles viveram.. cada uma diferente da outra. nunca me canso *-*
    e qdo tiver os meus fiilhos, a historia ja será outra, os cuidados jaá serão outros.. continue assim, cuide beem do seeu filhão! ele merece todo amor *-*.
    maas deeixa ele voltar com os amiguinhos pooxa. Nada meelhor qe isso *.*'

    obg por ter visitado meu blog!
    Grande abraaço!

    ResponderExcluir

Comente. É isso que o autor espera de você, leitor.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails