Amigos

segunda-feira, dezembro 08, 2014

ARMELAU – HELLHAISER E OS SETE EURICOS

Naquela manhã chuvosa, as horas não passavam no relógio de parede posto diante da mesa de Armelau, à meia altura. O ponteiro dos segundos era vermelho e o funcionário, dominado por tédio e apatia, achou de acompanhar a passagem do tempo com os olhos fixos no movimento daquela estreita haste hipnótica até completar a hora para o almoço.

Logo perdeu de vista o fundo branco do aparelho e viu a cor escarlate tecer uma fina película opaca, algo feito uma névoa insinuante, que se expandia do centro para as extremidades do objeto e aos poucos tomava a forma de um furo pregueado na parede diante o funcionário bocejante.

Armelau ouviu passos ecoados do corredor. Ajeitou sua postura na cadeira tratando de voltar os olhos imediatamente para a tela do computador, e deitou a mão sobre o mouse, e fingiu ler algo atentamente para não ser surpreendido por algum superior em pleno ócio no ofício.

Era Edmundo Hellraiser, o encarregado de setor, que na verdade não sabia ser Hellraiser, pois seu nome de batismo era Edmundo Ambrósio, a alcunha de Hellraiser fora colocado pelo pessoal do almoxarifado, por motivos especiais e vingativos. Cabe destacar que o almoxarifado da empresa era uma espécie de oficina do Diabo. Ali ficavam os funcionários mais antigos, maldosos e maledicentes do local.

Mas Edmundo bem que merecia o apelido. Vivia reclamando da vida e falando mal dos outros. Estava sempre fritando alguém, e quando não tinha a quem fritar por ali, fritava seu marido a qualquer um que quisesse ouvir. Sim, marido. Não eram oficialmente casados, porém viviam juntos há muitos anos. Ele dizia que o marido era um preguiçoso. E dizia que ele era depressivo, e que nunca havia se recuperado da perda da mãe, e que fora um erro ter se juntado ao cônjuge, e que o sujeito só sabia dormir e jogar videogame... Dizia o tempo todo. Daí a alcunha de Hellraiser, o renascido do inferno. E então o maledicente de todas as gentes entrou pela sala de Armelau e disse que tinha que colocar uma balança para pesar os fardos de papel ao lado da mesa dele.

Assim, de súbito, no meio da manhã... Armelau achou aquilo estranho e preferiu não discutir. Os carregadores de fardos de papel nunca andam sozinhos e aquilo perturbaria sobremodo o ambiente. Seria um abrir e fechar de porta sem fim. Gente conversando sobre coisas que não interessam a ninguém e olhando tudo dentro da sala com olhos curiosos e perscrutadores. Um cheiro de constrangimento pairava no ar. Mas ele consentiu com a cabeça num gesto resignado.

Armelau voltou os olhos para o local onde estaria o relógio e o objeto não guardava de modo algum sua forma original. Apenas o buraco esférico circundado por um halo róseo contrátil e de fendas escarlate pairava molemente na parede diante de sua mesa, à meia altura.

Hellraiser saiu pelo mesmo corredor que o trouxe e retornou antes mesmo que qualquer elemento acusasse a mínima passagem de tempo. O tempo se extinguiu como por um encantamento e Armelau procurava aflito outro relógio ao pé da tela do seu computador. Não havia nada lá. Tateou os bolsos em busca do celular e também não o encontrou. Ficou tenso por não saber que horas era e assim, consequentemente, não poder sair para o almoço.

Novamente ouviu passos em direção à sua sala e viu Hellraiser entrar, mas dessa vez acompanhado de um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete Euricos. Por algum motivo de fundo pessoal o homem queria provar a Armelau que ele não tinha autonomia nenhuma sobre sua sala ou até mesmo sobre si.

Euricos eram auditores e cada qual correspondia a um vício humano. Havia o Eurico Glutão, o Eurico Avaro, o Eurico Luxurioso, o Eurico Iracundo, o Eurico Invejoso, o Eurico Preguiçoso e o Eurico Orgulhoso.

Aquilo já era demais. Aquela gente toda passando pra lá e pra cá era de enlouquecer até mesmo o pacato Armelau. E o homem não aceitou. Levantou-se de sua mesa e gritou furiosamente com uma voz gutural para que Hellraiser e os Euricos sumissem pelo buraco da parede, que naquele momento apresentava o diâmetro de uma roda de carroça.

Os Euricos correram pela porta por onde haviam entrado e Hellraiser ficou vesgo, girou, revirou os olhos e apontou sua língua fina e estreita para fora da boca cada vez mais achatada. Sua cabeça também se achatou. Sua pele passou de rósea à branca e o sujeito estrebuchou em terríveis espasmos lançando os braços à frente e as pernas para os lados. Seus membros se encolhiam e apontava-lhe no prolongamento do cóccix uma pequena calda, que se alongara sobremodo a cada espasmo da criatura. Logo o corpo todo do encarregado de setor retraiu-se e o ser inumano assumiu a forma de um pequeno animal. Caiu no chão e escalou a parede até alcançar o furo.

Armelau estava aterrorizado e tentou fugir de sua própria sala. Esbarrou no copo plástico de café, que banhou sua perna manchando a calça. Sentiu o calor na virilha e tentou abanar-se. Ao retornar os olhos na direção da criatura metamorfoseada, viu apenas uma pequena lagartixa plantada ao lado do relógio de parede. Era meio dia e meia, hora de partir para o almoço.

4 comentários:

  1. Uma narrativa muito interessante. Personagem bem construída e uma prosa de se tirar o chapéu!
    Ah o tempo...
    Gostei muito
    bj

    ResponderExcluir
  2. A Noite Feliz do Natal, é quando humildemente e conscientemente, mesmo sem símbolos e aparatos, sorrimos com confiança e ternura na contemplação interior de um natal perene que estabelece seu Reino em nós. Obrigado Senhor! Por vossa luz, perdão e compreensão. E por nos ungir com suas bençãos de esperança e fé num Próspero Ano Novo que brilha no horizonte, enchendo todos os corações de Paz e Alegria

    O desejo maior é que neste Natal, a luz que guia o mundo possa também clarear os seus sonhos, feliz Natal, que os anjos acampem ao seu redor para sempre te proteger, amparar nessa longa caminhada da vida, para que o caminho seja repleto de flores e frutos

    Do fundo de meu coração é o que lhes desejo.
    Ana Lucia e familia

    ResponderExcluir
  3. gostei muito de sua escrita. narrativa perfeita e cativante. feliz 2015, amigo!

    ResponderExcluir

Comente. É isso que o autor espera de você, leitor.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails