quarta-feira, julho 31, 2013

VALENTINA, A ORQUÍDEA # 01

Uma orquídea é um ser capaz de gerar desavenças e, paradoxalmente, angariar simpatias e boas amizades? Não sei. Não estou aqui para dar respostas. Com sorte, serei capaz de gerar alguma interrogação, quem sabe? Às vezes penso que Valentina não é deste mundo. Somente uma criatura de outro mundo seria capaz de fender um inverno e fazer jorrar um fluxo intermitente hora primaveril hora de outono.
Por ocasião da data comemorativa do dia do amigo, recebi em um vaso muito singelo e bem arranjado um presente de amizade, é claro. O vaso de barro vinha trajando uma caixa de papelão xadrez quadriculada em branco e azul. Do vaso se erguia inclinando-se curvada e pejada por seis belas flores brancas a frágil e encantadora criatura. Risonha e formosa como um sonho colorido e maravilhoso, Valentina, a orquídea, não tinha como ser mais graciosa. Ela trazia um pouco acima da base de seu caule um laço de fita azul de cetim que combinava com imensurável perfeição com sua figura e personalidade. Da referida orquídea ignoro a espécie, a origem, os devidos cuidados, a expectativa de vida, os nomes científico e popular, ignoro tudo e mais algo que se possa ignorar para além do que se é possível ver com o simples olhar. Só não ignoro sua beleza e personalidade. Suas características mais fortes, misteriosas e marcantes, bem como são os maiores mistérios do universo.

Da ocasião em que fui nomeado tutor da flor posso assim narrar: a amiga estendeu-me a criatura um pouco antes de adentrarmos o salão no qual teríamos uma sessão de exercícios terapêuticos e disse que era um presente pelo dia do amigo. Tomei o vaso em minhas mãos, agradeci, recebi em partes as orientações de cuidados, informações que não absorvi por completo. Pois logo que tomei a flor e agradeci, fui furtado em minha atenção por uma leva de braços em abraços desferidos pelos demais participantes do grupo. Todos aproveitaram o ensejo da flor para ofertar um enlace e saudar à amizade. Foi aí que Valentina causou, pela primeira vez diante de meus olhos, comoção pública. Valentina foi parar em cima da grande mesa branca e vazia do auditório. E ficou ali quieta assistindo a nossa sessão enquanto me aguardava. Ao término do trabalho, a amiga que havia me presenteado com a flor aproximou-se e disse baixinho: “Apenas um detalhe: ela fala” e foi assim que eu conheci Valentina, a orquídea. 

18 Comentários:

Blogger Bruna Morgan disse...

Linda a Valentina!

31 de julho de 2013 16:20  
Blogger Suely Andrade disse...

OI, Jeferson! Só hoje vi seu comentário lá no blog. Obrigada pela visita. Vim só dar oi hoje porque estou com pressa, mas voltarei sim para apreciar e comentar. Beijão!

31 de julho de 2013 23:01  
Blogger Carla Ceres disse...

Esse texto é uma graça. Parabéns à Valentina inspiradora! :)

1 de agosto de 2013 09:45  
Blogger Rosa Carioca disse...

Agora resta estar atento à sua "sabedoria".
Mais um lindo texto (como sempre).

1 de agosto de 2013 10:47  
Blogger Jeferson Cardoso disse...

Obrigado! Beijo!

1 de agosto de 2013 20:00  
Blogger Jeferson Cardoso disse...

Seja sempre bem vinda. Beijo!

1 de agosto de 2013 20:01  
Blogger Jeferson Cardoso disse...

[sorrio] que bom que gostou! Obrigado! Beijo!

1 de agosto de 2013 20:01  
Blogger Jeferson Cardoso disse...

Bondade sua, Rosa. Obrigado pelo carinho de sempre. Beijo!

1 de agosto de 2013 20:02  
Blogger Renata Madureira disse...

Texto doce e suave, cheio de ternura como sua flor. Como é bom ter amigos!

2 de agosto de 2013 00:02  
Blogger Jeferson Cardoso disse...

Linda e doce você, Renata! Um beijo! Obrigado!

2 de agosto de 2013 14:38  
Blogger JAN disse...

Olá Jeferson, uma orquídea fala sim... e fala com classe e beleza, transmitindo recados puros de sentimentos.
Algumas até ganham um nome elegante e forte, assim como "Valentina".

Abração
Jan

3 de agosto de 2013 11:50  
Blogger Jeferson Cardoso disse...

E você é quem complementa minha postagem. Não confesso, mas sempre aguardo seu doce comentário [sorrio]. Obrigado, JAN! Sua generosidade é um carinho a quem escreve. Beijo!

3 de agosto de 2013 12:38  
Anonymous Anônimo disse...

Ela fala?! Como a Rosa do Pequeno Príncipe? *-*
Curiosa...

5 de agosto de 2013 15:08  
Blogger Jeferson Cardoso disse...

Dilly, na verdade eu não sei. Ela ainda não disse nada... [sorrio]

5 de agosto de 2013 17:07  
Blogger Malu Paixão disse...

É incrível o dom da escrita que te faz tornar o mais simples objeto algo mágico. Que lindo personagem! Eternizou a florzinha-do-bem que, mesmo morrendo, deixou um legado. Quem diria?
Incrível!
bjoss

5 de agosto de 2013 21:16  
Blogger Roanny Phanuelly disse...

Vamos esperar que ela diga algo, então ^^

Amei o texto, muito divertido. Eu gostaria de ganhar um flor. Seja qual fosse. :D

6 de agosto de 2013 19:21  
Blogger Jeferson Cardoso disse...

Legal, Malu! Obrigado pelo carinho e generosidade do comentário. Um abraço!

7 de agosto de 2013 14:51  
Blogger Jeferson Cardoso disse...

Roanny, esperemos então [sorrio]. Um abraço!

7 de agosto de 2013 14:52  

Postar um comentário

Comente. É isso que o autor espera de você, leitor.

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial