Amigos

sexta-feira, julho 27, 2012

O CÔNCAVO DA AXILA DIREITA DE ROSALMA

Com o braço rente ao tórax e movimentos curtos, ela grafava com grande dificuldade em um bloquinho de notas as palavras que lhe vinham à mente logo abaixo do título que encabeçava a pequena página. Título escolhido intuitivamente, ao acaso, durante uma divagação ocorrida ali mesmo debaixo da goiabeira que deitava galhos e folhas para dentro da varanda da velha casa abandonada e arruinada na qual o pequeno portão aberto e enferrujado permitia o trânsito livre dos desafortunados vagabundos que buscavam abrigar-se dos olhos do povo ou do braseiro do sol ardente da tarde.  ‘EU QUERO UM AMOR’ era o título cabeçalho. E abaixo do título seguiam frases jogadas sem qualquer pontuação de trânsito gramatical, exceto o agigantamento maiúsculo de algumas consoantes iniciais que cumpriam bem a função de falso parágrafo ‘Que fale de amor Que fale de amor com sentimento Que fale de amor Que fale de amor com gravidade Que fale de amor Que fale de amor com comprometimento Que fale de amor Que fale de amor com ressonância fonética Que fale de amor Que fale de amor com qualidade Que fale de amor com Que fale de amor Que fale Que fale Que fale’

No côncavo da axila direita, ela trazia algo que encontrara numa pilha de tijolos pó de mico em uma tarde de domingo em que ajudava com os materiais da reforma da casa que há tempos ficaram abandonados na calçada, dos dias em que ainda o pai estava vivo e internado com tétano e raiva, muita raiva.

Ele chegou sem dizer nada e logo encostou a cara parva no pescoço pálido e esquálido de Rosalma e, roçando-lhe a barba, deitou para fora uma língua grossa, trêmula e úmida com aspecto de lesma gorda e rósea. Com a boca de jibóia desdentada aberta e escancarada abrigou quase todo o cíngulo da escápula da moça e sugava ruidosa e escandalosamente. Sugava. Sugava. Sugava. Sugava. Sugava. Sugava. Sugava. Parou. Decidiu que era tempo de descer pelo dorso e ir ter nos arrabaldes ventrais por sobre os arcos costais da jovem magra de aspecto desnutrido, puído, lúgubre e macilento. Ela deixou-se abandonada com aparência de morta fresca sobre a chapa de madeira que um dia servira para tampar alguma construção civil de alguma rua paralela àquela em que se encontravam. Com devassidão, contava suas costelas com a língua molusca e os dedos. Aquele ato aritmético nada no mundo em que habitamos poderia explicar. Ele contava os arcos com a língua e nas pontas dos dedos, e revirava os olhos como se o prazer lhe causasse ondas convulsivas no íntimo de seu encéfalo severamente atrofiado por sol e cachaça. Sobre o ventre de Rosalma serpenteava um largo cordão de pelos negros e grossos que lhe desciam da barriga e evadiam-se pelo púbis sugerindo a existência e preservação de densa mata resguardada ao gosto dos militantes ambientalistas. 

Deitou barba e bigode sobre a trilha da mata pilosa e fungava enrolando os pelos projetados para fora de suas largas narinas arfantes aos da tortuosa e negra linha alba da esquelética Rosalma. Enquanto apalpava cambitos e secas nádegas, carros passavam na rua à frente da velha casa abandonada com seus pneus espocando estalidos graves e ocos sobre os velhos paralelepípedos de antanho. Como se tivesse esquecido algo na sequência de seu curioso ritual, decidiu voltar à axila de Rosalma para inalar, sugar e contemplar com seus olhos arregalados, porém vagos de alma. Rosalma sorriu discretamente com o canto direito dos lábios como se soubesse que cedo ou tarde o esfomeado amante se daria conta de não ter-lhe apreciado o côncavo da axila que abrigava seu estimado animal peçonhento de criação. Com o mesmo sorriso discreto e cruel soergueu o braço para que o amante lhe pudesse chafurdar por entre a mata negra de cheiro acre e quente. E no côncavo da axila direita de Rosalma o miserável faminto deitou diligentemente a molusca língua rósea e úmida a duelar com o tufo emplastrado por óleos humanos e desodorante roll on. De repente, num repelão, o homem afastou-se sobressaltado. Sentiu um fincar de agulha na língua molusca que imediatamente começou a tremular, formigar e adormecer. Com os olhos arregalados, viu o aracnídeo, um escorpião amarelo recolher-se de volta ao côncavo da axila direita de Rosalma. No minuto seguinte, com a língua cada vez mais protuberante por inchada que estava e mais inchada ficava, sentiu o volumoso órgão privar-lhe da passagem do ar mormacento daquela tarde de verão. Levou as mãos ao pescoço e iniciou uma escalada de tonalidades azuis progressivas da pele da face até ficar completamente roxo, cianótico. Rosalma observou a tudo sem mudar a expressão e o sorriso contido. Ao ver que seu parceiro não mais se movia, vestiu as peças das quais havia se despido durante o enlace. Procurou o pequeno bloco de notas. Encontrou. Por mais tempo procurou a caneta esferográfica de tinta preta. Encontrou e partiu sem fazer alarde algum. Partiu pela calçada da rua de paralelepípedos sob o sol das três a ouvir o som espocar dos pneus dos carros sobre os paralelepípedos com o bloquinho na mão direita e o braço rente ao dorso enquanto lia o que havia escrito minutos antes ‘EU QUERO UM AMOR Que fale de amor Que fale de amor com sentimento Que fale de amor Que fale de amor com gravidade Que fale de amor Que fale de amor com comprometimento Que fale de amor Que fale de amor com ressonância fonética Que fale de amor Que fale de amor com qualidade Que fale de amor com Que fale de amor Que fale Que fale Que fale’

75 comentários:

  1. Olá Jeferson!
    Onde encontra tanta inspiração comungando essa cultura com
    tanto esmero?
    Realmente fiquei de "boca aberta".
    Só há um comentário: continue assim...
    Abraços
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  2. Amamos o seu blog! Está na nossa lista de favoritos! Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Olá Jeferson! Obrigada por visitar meu blog! Sou professora de língua portuguesa na rede estadual do Paraná e amante da Literatura... é muito bom ver gente produzindo textos de qualidade e surpreendentes... hoje é tudo tão óbvio e comercial.
    Parabéns! Sua produção é realmente incrível!
    Abraços
    Hera

    ResponderExcluir
  4. Olá Jeferson! Adorei seu blog, parabéns!!!!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Nossa... dá pra visualizar a cena em detalhes! Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  6. Um misto de sensualidade incrustada no cotidiano de muitos atrai -nos a uma cultura popular e por isso mesmo, autêntica.
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
  7. Boa noite querido Jeferson!!!
    Mais um texto espetacular.
    Mas aqui está a Bia e não tenho vergonha de perguntar. Você já se acostumou. (risos)
    Ele era o pai da moça?
    Se for, bem feito para esse Pedófilo safado. :)
    Ele era um namorado?
    Coitado, era melhor ela ter terminado. :(
    Ele era um tarado?
    Achou o que precisava. kkkkkkkkkk
    Tenha um domingo abençoado.
    Abraços da Bia!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bia! O curioso é que, eu não sei o que ele era. Acho que ele era todos esses e nenhum desses... [beijo e obrigado pelo carinho da atenção!]

      Excluir
  8. Olá Jefferson...Mais um texto show... Amei, é sempre bom ler textos inteligentes e interessantes.
    Um grande abraço
    Paz e bem sempre
    Carla
    http://jeitofelizdeser.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Olá Jeferson!

    Estou aqui para retribuir a tua gentileza de me visitar no Cérebro Que Pulsa. E de antemão já te parabenizo pelo teu espaço. já li alguns dos teus textos principalmente do mês de novembro porque é uma data que eu gosto então li o que havia por lá. Como: A cruel vingança de sei Ignácio, Givanildo casa Grande, Carta aos Leitores,Amélia que era a mulher de verdade e é claro Dorotéia. Bom...Realmente o tempo não pode passar mais lento, mas há escrita são as janelas da alma, dá qualidade aos seus dias, aos meus, e aos de todos que gostam de ler.
    Boa Semana!.

    ResponderExcluir
  10. Olá Jeferson!
    Achei o texto interessante, a escolha das palavras foi fundamental para o sucesso do seu texto, parabéns!
    Obrigada pela visita ao meu blog
    Volte mais vezes!

    http://garotasbacanas.blogspot.com

    Conheça também meu outro blog

    http://e-pedagogico.blogspot.com.br/

    Abraços

    ResponderExcluir
  11. Bom dia Jeferson Cardoso!

    Retribuindo a visitinha, e elogiar tua criatividade literária!

    Assim que eu lia "O Côncavo da Axila Direita de Rosalma", pude visualizar perfeitamente cada momento, na qual tu citastes!

    E veio em mente a pergunta: _ Da onde tanta criatividade?

    Tu já pensastes em criar um livro?

    Creio que com teus escritos, muitos seriam abençoados, com tanta espontaneidade na hora de tu passares ao papel, o que tu pensas e achas!

    Sou pedagoga, e amo ler!

    Atualmente estou lendo "1822" de Laurentino Gomes. É a uma história sobre D. Pedro.

    Continues assim, com fome por escrita!

    Já estarei te seguindo!

    Com carinho!
    Prof Gi

    ResponderExcluir
  12. Olá Jéferson! Agradeço a sua visita em meu blog www.tudotemseusprimeirospassos.blogspot.com e de antemão venho lhe agradecer novamente pela oportunidade de ler as suas palavras. Quanto mais nos permitimos colocar as nossas palavras ao vento, mais presentes estamos recebendo, sendo assim uma via de mãos dupla. PARABÉNS.

    ResponderExcluir
  13. Obrigada pela visita e por me apresentar textos tão bem escritos e leitura tão rica.

    Parabéns!!!

    Abraço,

    ResponderExcluir
  14. Retribuindo a visita..e saboreando a boa escrita!!namastê!!!

    ResponderExcluir
  15. Bom dia!
    É um prazer seguir seu blog.Gostei muito do que li.Muito bom encontrar pessoas como você que tem o dom da escrita.
    Grande abraço
    se cuida

    ResponderExcluir
  16. Adorei seu blog também.... Obrigada por dividir suas ideais e sonhos conosco...

    ResponderExcluir
  17. Bonjour mon ami, gostei muito do que li e adorei seu blog e seus textos, interessantissimos!!!
    Abraço e volte sempre!!

    ResponderExcluir
  18. GOSTEIII!!!! E mais ainda do fim, quando ele morre... =o) Muito bom o texto, parabéns!!

    ResponderExcluir
  19. Oláa Jefh! Vim retribuir a visita ao blog, e agradecer pelo comentário, que só nos alegra e nos deixa com vontade de continuar...Parabéns pelo seu trabalho! Nós, como leitores ficamos satisfeitos por isso!!

    ResponderExcluir
  20. Parabéns, pelo texto. Muito provocante. Continue com esse dom da escrita.

    Keilane (Mestranda- Psicanálise da Educação)

    ResponderExcluir
  21. Jeff... que delicia de texto, muito emocionante... a gente lê e se interage... Vc escreve deliciosamente bem, deslizam as palavras, a harmonia e o desenrolar dos sentimentos, das sensações... Harmonia é a palavra que traduz o texto. PARABENS! SOU SUA FÃ DESDE QUE TE DESCOBRI... já li quase tudo... um abraço bem forte!!! Ritinha

    ResponderExcluir
  22. Jefh que maravilhoso texto você sempre supreendendo, amigo sumiu um pouco mais estou de volta,já voltei te desejo muita sorte, vou torcer por você, beijos.
    http://www.lucimarestreladamanha.blogspot.com

    ResponderExcluir
  23. Olá!
    Muito bom conhecer seu blog.Os textos são ótimos e de qualidade. Já tem algum livro publicado?Você tem muito talento.
    Sucesso!

    ResponderExcluir
  24. Adorei.. esse texto tem ótima qualidade.
    Beijo

    ResponderExcluir
  25. Olá Jeferson , tudo bem?
    Parabéns pelo seu blog , é muito lindo , realmente é um dom encontar tanta inspiração !!!
    Obrigada pela sua visita e pelo seu comentário ...valeu amigo!!!

    ResponderExcluir
  26. Retribuindo a visita !

    Virei aqui mais vezes.

    Parabéns pelo blog.

    Abraço .

    ResponderExcluir
  27. Amei! Amo suas frases!
    Já te sigo aqui...
    Bjs, Tatty


    http://www.suspirofashion.com.br

    ResponderExcluir
  28. Bom dia, Jeferson.

    Instigante e criativo o teu texto. Gosto de escritas assim: provocativas e interessantes. Português impecável. Gostei, também, da fluência como escreves, das metáforas usadas e do estilo bastante originais.

    Cativaste-me, por isso te visitarei com frequência.

    Um abraço.

    Arlete Gudolle Lopes

    ResponderExcluir
  29. Jeferson, passo para retribuir sua visita em meu blog. Parabéns pelos textos.

    ResponderExcluir
  30. Nossa, eu li duas vezes. E juro que não foi por não entender, e sim para apreciar mais de uma vez seu texto.
    Eu vou tentar, e se um dia eu conseguir escrever pelo menos 10/100 igual a você, estarei feliz, e já poderei morrer (se é que me permite a hipérbole) rsrsrsrsrsrs

    ResponderExcluir
  31. Oi, Jefferson!
    Diga aí, tem coisa melhor?
    Obrigada pela visita e apreciação ao Café com Leitura!

    Seu blog já está nos meus favoritos. Em breve comentarei os seus textos. Parabéns pelo blog também! Gostei muito!
    Abração!

    ResponderExcluir
  32. Olá Jefh,
    como sempre, um conto bem escrito,tanto nas linhas quanto nas entrelinhas...

    Cada um dá o que já recebeu, né?

    Abração
    Jan

    ResponderExcluir
  33. Primeiramente, obrigada pela visita em meu blog.
    E sobre o texto... fiquei sem palavras... o mínimo que posso dizer é: maravilhoso!

    ResponderExcluir
  34. Oi jefh seu conto tem sempre um ar de tristeza, melancolia com uma pitada de gracejo que nos remente a sentimentos múltiplos...vc consegue nos prender na ansiedade de saber qual o fim mas nunca se sente verdadeiramente um ponto final...ha continuidade mesmo que não seja escrito...um abraço!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  35. Bom dia, fiquei muito feliz com sua visita ao meu blog, parabéns, adorei o texto, lindo, com carinho

    ResponderExcluir
  36. Boa tarde Jeferson
    Que bom que você me deixou um recado no meu post de RA, adorei a forma que você escreve, me senti a Rosalma kkk
    E que falemos de amor...
    Virei te visitar novamente
    Abraços

    ResponderExcluir
  37. Que fale de amor!!!
    Abração, amigo!

    ResponderExcluir
  38. Poxa...viajei no embalo de cada palavra!!
    Belo texto!

    Bjss!

    ResponderExcluir
  39. Olá Jeferson, tudo bem? Passando para dá uma olhadinha em teu blog. Amei teus textos. Beijos e se tiver alguma novidade, convide-me para ler.

    ResponderExcluir
  40. OLÁ CARO REDATOR, BOA NOITE!
    ESTOU AQUI PRIMEIRAMENTE PRA AGRADECER SUA VISITA, DEIXANDO A MARCA DE TÃO CONCEITUAL BLOG EM NOSSO SITE COMENTANDO E PARABENIZANDO O RN (511 - DE PERSEVERANÇA E CONQUISTAS PRA NOSSA TERRA BRASILEIRA, UM PAÍS MUITÍSSIMO BONITO!!!

    ResponderExcluir
  41. MAIS UMA VEZ DE VOLTA PRA TE PARABENIZAR PELO CRIATIVO TEXTO LITERÁRIO, INTELECTUALMENTE ELEVADO NA ALTA CONSTRUÇÃO
    DA LÍNGUA PORTUGUESA. PARABÉNS AMIGO QUE TU POSSAS CONSTRUIR MUITOS OUTROS...

    ResponderExcluir
  42. Parabéns e sucesso cada vez mais ! Obrigada por passar no meu blog fashion-despojada.blogspot.com . Abraços

    ResponderExcluir
  43. Oi Jeferson obrigada pelo comentário, abs.

    ResponderExcluir
  44. Ai, ai, Rosalma, o que é o amor, me fale do amor?
    :)

    ResponderExcluir
  45. Adorei! Quando sai o livro? rs... parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
  46. Gostei do seu blog. Como você faz pra aparecer aqueles quadrinhos com os outros posts embaixo de um post escrito: "voce também poderá gostar de..."
    E obrigada pelo comentário no meu blog.
    Beijos

    ResponderExcluir
  47. Foi muito bom vir retribuir a visita que fizeste ao amiudegente.blogspot.com. Enfim, "que fale, que fale, que fale..."

    ResponderExcluir
  48. Muito bom o seu texto! Adorei a riqueza e a sincronização das palavras, que fizeram este trecho maravilhoso! Adorei o seu comentário no meu Blog, www.brendanlbastos.blogspot.com. Muito obrigada pela visita e já estou seguindo aqui, viu? Beijos!!!

    ResponderExcluir
  49. Excelente crônica, Jeferson... Gostei muito de seu estilo. Irei ler os demais posts.
    Posso publicar essa sua frase ("Mesmo que a felicidade lhe caia do céu, é preciso estar na hora e no lugar certo. Mova-se!”)como 'Frase do Dia' meu blog?
    Abraço.

    ResponderExcluir
  50. Olá. Obrigada por ter visitado meu blog e pelas palavras amigas. Seus textos são incríveis, parabéns!!! Abs!

    ResponderExcluir
  51. Oi Jeferson, vim agradecer sua visita e conhecer seu blog, que aliás tem textos muito bem escritos, parabéns!
    Abraços, Carine.

    www.rosaacessorios.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  52. Etá que a cada dia me surpreendo!
    Parabéns meu amigo...
    Torcendo por ti nessa caminhada!
    Muito obrigada pela visita em blog..
    Sucesso a mil e fique com Deus! Abraço...

    ResponderExcluir
  53. Amigo Jefh, quanto tempo!!! Mas hoje eu não poderia deixar de passar aqui, DIA DOS PAIS! Querido amigo desejo que tenha um feliz dia e que continue sempre sendo esse pai amoroso e presente que você é... "Guri" mas você está cada dia mais inspirado! Que texto fantástico! Olha que é uma surpresa após a outra, cada frase nos "empurra" para ler a seguinte! Parabéns "guri talentoso" muito e muito sucesso sempre! Um imenso abraço e seja sempre muito feliz!

    ResponderExcluir
  54. Jeferson, é uma honra para mim, ter entre os prezados membros do meu Blog um escritor, um observador da vida, como você. Parabéns pelo seu Blog e pela Crônica tão bem elaborada: "O CÔNCAVO NA AXILA DIREITA DE ROSALMA". Gostei muito, irreverente, hilária, bem escrita e sensível dentro do seu humor refinado. Parabéns! Vou ler mais e acompanhá-lo, com certeza.

    ResponderExcluir
  55. Obrigada pela visita no meu blog. Adorei o seu. Já sou uma seguidora. Lindo!!!Ótima semana pra você!!!

    ResponderExcluir
  56. Caraca! Gostei muito do texto!!
    To até meio sem palavras!! rsrsrs
    Obrigada pela visita lá no blog e parabéns pelo texto incrível!!

    Bjos,

    Loreta
    @bagagemdemae

    ResponderExcluir
  57. Oi Jef! Vim retribuir sua visita em meu blog! Gostei demais do seu! Um texto melhor que o outro, estou sem palavras! Parabéns e muito sucesso!!!

    www.testeieprovei.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

  58. Quanta imaginação meu caro Jeferson!
    Gostei, portanto, volto mais vezes aquí
    para admirar o seu talento com a escrita!

    uma boa semana pra você

    abs

    ResponderExcluir
  59. Boa noite Jefh.
    Gostei da sua visita ao blog.
    Obrigada. Na verdade, eu só brinco de escrever.
    O seu blog está muito bonito. Você está de parabéns pelo texto bem elaborado, sincronizando poética, sensibilidade e irreverência. Linguagem clara.
    Gostei muito da forma como você aborda as palavras. Voltarei outras vezes, com muito prazer. Até breve. Um abraço!

    ResponderExcluir
  60. Rosa-alma uma desalmada . Sua feiura ,nada que destoasse com a paisagem: línguas,salivas ,odores,e um escorpião : no fundo a alma da Rosa gritava:- " Daquele amor?,nem me fale e se cale para sempre."

    Jef..obrigada pela visita surpresa
    bjs

    ResponderExcluir
  61. Boa tarde Jefh.

    Agradeço sua visita ao profetizando, e quero parabenizá-lo pela produção de textos tão inteligentes.

    Gratíssima!

    ResponderExcluir
  62. Amei muito criativo, gostei mesmo, um forte abraço Jeferson.

    ResponderExcluir
  63. OI, estou aqui lendo suas histórias...e quero lhe parabenizar, pois você é um ótimo escritor, me identifiquei muito com a sua forma de escrever, com a descrição da sua narrativa. mande sempre notícia e obrigada pela sua atenção!

    ResponderExcluir
  64. Vc deve achar legal ver as pessoas tentando interpretar o seu texto.
    "Ela só queria um amor" alguém "Que fale de amor Que fale de amor com comprometimento Que fale de amor".
    Talvez apenas um amor incondicional.

    Foi muito bom passar aqui!
    Parabéns pelo texto!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  65. "Que fale de amor Que fale de amor com comprometimento Que fale de amor" ...
    Ou até mesmo alguém que somente saiba amar...
    Gostei muito, obrigada pela visita em meu blog ;D

    ResponderExcluir
  66. Oii! desculpe pela demora... Falta de tempo messssmo.. Obrigada pelo coment. e pela visita.. Seu blog é mto interessante! Bjuh!

    ResponderExcluir
  67. Olá.. gostei muito do seu texto. Parabéns!!!E obrigada pela visita ao meu blog...
    Ceuzinha

    ResponderExcluir
  68. Muito bom o tombo e a moça do escorpião.
    Obrigadfa pela visita!
    um abraço.

    ResponderExcluir
  69. Olá, Jeferson, boa noite!
    Obrigada pela visita ao meu blog. Valeu a pena encontrá-lo, pois o texto é muito bom. Não há como ler e não traçar um paralelo - guardada a distância que separa as diferentes narrativas - com Cem Anos de Solidão e A Casa dos Espíritos, que adoro!
    Que Deus o conserve inspirado!
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  70. Boa noite, Jeferson! Que bom que gostou da mensagem, no meu blog. Obrigada pelo comentário e pela visita. Fique sempre à vontade para voltar e deixar comentário. Interessante a narrativa, pois nos faz pensar no que queremos hoje para as nossas vidas, e como se livrar de oportunistas. Rssss. Parabéns pelo Blog.

    ResponderExcluir
  71. Olá meu amigo boa tarde!
    Andei lendo seus texto, cada um mais lindo que o outro parabéns...Tenha uma boa tarde bju

    ResponderExcluir

Comente. É isso que o autor espera de você, leitor.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails