Amigos

sexta-feira, maio 11, 2012

ONDE OS FRACOS NÃO TÊM VEZ – PARTE III

Ao descer no terceiro ponto de ônibus e pisar o chão da Avenida Atlântica, Teddy já sabia que a coisa seria mesmo de doer mais do que supusera quando partiu arrependido de sua mancada de São Paulo rumo ao Rio. Repentinamente, recordou-se de que ali pisara em inúmeras manhãs ensolaradas que lhe resplandeciam pelo trajeto do utópico caminho da felicidade eterna.

Trêmulo, tentando conter suas mãos nervosas, úmidas e geladas, postou-se diante do edifício São Miguel Martinho e expeliu bem mais que um suspiro contristado, bufou longa e melancolicamente. Hiroshi, o porteiro, que o que tinha de irônico proporcionalmente tinha de gago, assim que avistou Teddy, mudou seu semblante de neutro para fechado e entediado. Teddy teve a forte impressão de que o porteiro chegou a fazer um sinal de reprovação com um meneio de cabeça e elevação de sobrancelhas, porém, se o fez de fato, fora muito discreto, impossibilitando a certeza do gesto reprovador e desdenhoso. Fechou o bico da mangueira com a qual aguava os lírios e outras plantas do jardim da fachada do prédio e jogou o objeto de hidratação no chão sem qualquer cuidado. Enfiou a mão no bolso dianteiro da calça e retirou um molho pejado de chaves. Caminhava e perscrutava lentamente o monte em busca da pequena lamina que supostamente abriria o portão para que o visitante freqüente adentrasse mais uma vez o local. Foi neste momento que ressonou o timbre da voz imperiosa da mulher dourada por trás da nuca de Teddy. Com um leve movimento rotacional de pescoço, acompanhou Isa tomar seu campo de visão vestindo um short azul marinho de corrida, camiseta e meias brancas, tênis preto e um boné azul safira pelo qual lhe escapava o louro longo rabo de cavalo. Isa estava levemente ofegante, porém, senhora de seus movimentos, olhou Teddy nos olhos sem dizer qualquer palavra. Olhou também Hiroshi que imediatamente deixou-se tomar por repentina pressa. Agora ele agitava o molho de chaves entre suas mãos e num instante apontava a qual corresponderia à fechadura do portão. O portão se abriu, Isa adentrou, fez um gesto para que Teddy lhe acompanhasse e agradeceu Hiroshi com um pequeno sorriso e a palavra obrigado anexada ao nome do porteiro.

No elevador, o casal não trocou palavra. Isa olhava a luz do teto da caixa com uma mão na cintura e a outra tamborilando o espelho atrás de si, Teddy olhava o reflexo de Isa no espelho situado diante de ambos. Ao parar no oitavo andar, Isa saiu imediatamente ao abrir de portas do elevador. Teddy pareceu hesitante por um breve instante. Isa já ia adiante e tirou a chave por de trás de uma guirlanda pra lá de fora de época, e abriu a porta. Fez um gesto para que Teddy entrasse na frente, Teddy retribuiu o gesto, ela entrou. Ela deu um passo e parou ali mesmo, no hall de entrada, e mostrou uma grande mala preta de nylon diante do vaso de comigo ninguém pode. Era flagrante a surpresa estampada no rosto de Teddy. Ele olhou para a mala, olhou para Isa, repetiu o gesto e perguntou se estava tudo ali. Com uma afirmação lenta e muda de cabeça ela fez que sim. Ele perguntou se ali estava o seu CD do Noel Rosa e os do Pixinguinha. Ela repetiu o gesto. Ele perguntou se os livros autografados de Marcelo Rubens Paiva e Mário Prata também estavam ali. Ela fez mais uma vez que sim. Teddy ficou em silêncio por um instante. Eram muito óbvios seu espanto e perplexidade. Isa acrescentou que ali também estavam todas as roupas que o rapaz havia deixado ao longo de dois anos de namoro, e fotos também. Tudo ali. Teddy lembrou que a mala não lhe pertencia. Isa disse que era um presente. Teddy disse que fazia questão de devolvê-la, disse que enviaria. Isa disse que não era necessário. Teddy insistiu com veemência apostando no ato que resgataria algo de sua dignidade. Isa demonstrou certa impaciência e disse que se Teddy fazia tanta questão de lhe devolver a mala, que a enviasse então aos cuidados de Hiroshi. Teddy ergueu a mala do chão e ficou mudo. Isa já olhava para a parede e suspirava com vigor. Teddy apertou a alça da mala com toda sua força e volveu o corpo, num passo estava fora do apartamento. Isa colocou a mão na maçaneta e fez o gesto que demonstrava sua intenção de despedir o rapaz e fechar a porta. Teddy já estava fora do apartamento e da vida de Isa. Isa disse para que ele tivesse boa sorte e fechou o pouco que restava para fechar.

53 comentários:

  1. Teddy Lombard, muito legal os textos, tô acompanhando!
    Falou tio, Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Nem sei o que dizer...
    Amei. Lógico!

    ResponderExcluir
  3. Sensacional!! Sem palavras pra expôr o quanto que estou amando os textos...

    ResponderExcluir
  4. Ótimo texto, agarra o leitor e só solta no ponto final.
    Muito bom o blog!
    Bj :)

    ResponderExcluir
  5. "Obrigada pelo carinho na minha página. Que Deus continue a abençoar-te a cada novo amanhecer. Tu e tua familia. Muito lindo o teu blog, e tem muito Amor, isso, é o mais importante. Amei tudo que vi e li. Que teu coração possa sorrir a cada novo amanhecer, sentindo a mão de Deus tocar teu ser e abençoar teu viver. Um beijo no teu coração."

    ResponderExcluir
  6. MUito interessante seus textos... consegue entreter e prender o leitor.

    ResponderExcluir
  7. gostei e muito intereçante mesmo...

    ResponderExcluir
  8. Me solta Jeff... Tento passar correndo e não consigo.
    Abração!!!

    ResponderExcluir
  9. Lindo texto. Parabéns, vc escreve perfeitamente bem.
    Quando quiser volte sempre: retoricamoda.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. :) Olá! Sobre a foto no meu blog, as crianças não se moveram do lugar, eu fiquei 80% do tempo da apresentação ajoelhada em frente, e nada. De onde vc achou meu blog?

    ResponderExcluir
  11. Ótimo texto...

    Me remeteu inevitavelmente à música do Chico, na voz maravilhosa da Maria Creuza, Trocando em miúdos:

    Eu vou lhe deixar a medida do Bonfim
    Não me valeu
    Mas fico com o disco do Pixinguinha, sim!
    O resto é seu

    Trocando em miúdos, pode guardar
    As sobras de tudo que chamam lar
    As sombras de tudo que fomos nós
    As marcas de amor nos nossos lençóis
    As nossas melhores lembranças

    Aquela esperança de tudo se ajeitar
    Pode esquecer
    Aquela aliança, você pode empenhar
    Ou derreter

    Mas devo dizer que não vou lhe dar
    O enorme prazer de me ver chorar
    Nem vou lhe cobrar pelo seu estrago
    Meu peito tão dilacerado

    Aliás
    Aceite uma ajuda do seu futuro amor
    Pro aluguel
    Devolva o Neruda que você me tomou
    E nunca leu

    Eu bato o portão sem fazer alarde
    Eu levo a carteira de identidade
    Uma saideira, muita saudade
    E a leve impressão de que já vou tarde.


    Obrigada pela visita e comentário no meu blog.

    Parabéns pelo teu...

    abraço

    Karina

    ResponderExcluir
  12. Muito bom mesmo! Sabe dominar o leitor. Abraços, sucesso sempre!

    ResponderExcluir
  13. Olá Jeferson!
    Que post exagerado! [risos]
    Abraços.

    ResponderExcluir
  14. Bom dia Jefh
    Muito obrigada primeiramente pela visita em meu blog
    Adorei os seus textos e o seu blog em geral seguindo
    passarei por aqui sempre
    Bjos e uma ótima semana

    http://jhdocemel.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  15. Ola amigo como vai??
    Obrigado pela visita viu!!
    Vc escreve muito bem,o texto é simples com palavras de fácil entendimento..
    braços e volte sempre...:)



    Att
    Poliana
    http://tudoentrenos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  16. Olá, agradecendo sua visita e comentário, venho conhecer seu blog. Adorei os textos, muito bem escritos... Volto outras vezes. Mesmo sem competência para comentá-los. Boa tarde!

    ResponderExcluir
  17. Oi Jeferson,

    Legal o texto, mas que triste o final. ^^

    abs
    Nanda

    ResponderExcluir
  18. OI Jeff vlw pela visita, curti o seu blog, amei os textos, eu faço psicologia, me identifiquei muito! hahaha

    bjinhos Nana

    ResponderExcluir
  19. Muito bom. Que destino o de Teddy, mas a vida é assim mesmo. Gostei muito do texto e obrigada pelo retorno em minha página. Seja bem vindo!

    ResponderExcluir
  20. Olá, Jefh Cardoso. Adorei sua maneira de escrever. Tão clara , que conseguimos visualizar os personagens, o cenário...enfim, escrita de fácil entendimento, apesar de algumas palavras não tão usadas no cotidiano, porém rapidamente ,as substituímos com um sinônimo , de acordo com o sentido da frase. Parabéns, vc escreve muito bem. A propósito, uma coincidência, morei em Ituverava em 1991. Eu tinha 9 para 10 anos. Foi uma experiência incrível e inesquecível da minha infância. Marcante! Forte abço. Se puder divulgar o MULHERES FELIZES, ficarei grata.Rss...são msg da realidade da gente, das mulheres, das pessoas no geral.OBrigada! E estarei aqui sempre de olho nas coisas q escreve.

    ResponderExcluir
  21. Amei o texto. Ele segura a gente até o final. Gosto da forma com que usa as palavras. Ainda aprendo.
    Parabéns

    ResponderExcluir
  22. É Jefh...muitas "criaturas", como Teddy Lombard, existem por aí: estranhos, mal arrumados, esquecidos, solitários...mas mesmo assim a Isa se apaixonou por ele e se entregou sem pensar! Tá certo que depois de um tempo parece que caiu na real e largou o coitado rsrsrsr...E não vai ter volta? Será?...
    Parabéns pelo seu talento! Você é muito bom com as palavras! Venho te visitar muitas vezes, pode ter certeza!! E muito obrigada pela sua visita ao meu cantinho. Fiquei feliz demais. Às vezes me atrevo a escrever também, mas não chego aos seus pés!!
    Por enquanto estou sem câmera e não posso postar as minhas peças de "artes manuais", mas espero consertar isso em breve. Sinta-se a vontade para me visitar e comentar outras vezes.
    Tenha um ótimo fim de semana! :)

    ResponderExcluir
  23. gostei de como a ação das personagens são descritas, apesar de ser breve, a gente consegue imaginar, triste para o Teddy. :l

    obrigada pelo comentário lá no blog.

    ResponderExcluir
  24. Passando pra visitar e lendo sobre o Teddy... me fez pensar em tantas coisas que achava que tinha esquecido!
    Beijos e bom fim de semana!
    Nina!

    ResponderExcluir
  25. O destino e suas tramoias, nunca sabemos ao certo o que nos espera amanha, triste a despedida, mas as vezes necessária para que se abra outras portas, lindo seu texto, amei, beijos e boa semana opara ti!

    ResponderExcluir
  26. Muito triste para o Teddy,gostei bastante do testo e não consegui parar de ler mas o final foi surpreendentemente triste. Obrigada pela visita e já respondi o seu comentário,desculpa pela demora. *-*

    ResponderExcluir
  27. Gostei da narrativa, muito viva e cheia de ação. Bem próxima da realidade. Quase uma foto, quase um filme.
    beijo
    Nina

    ResponderExcluir
  28. Oi Jeff
    Adorei o texto,porém vou te dar uma dica: o fundo preto do blog faz a nossa vista ficar péssima,confunde a leitura.Eu li até o final,adorei o texto,mas já deixei de ler muitos blogs por terem o fundo preto,mas ,apenas uma sugestão.
    Você é muito detalhista,prende o leitor,sabe usar a criatividade.Parabéns.
    Será um prazer sempre tê-lo em meu blog: http://www.escritoraliliaamorim.blogspot.com

    Abraços
    Lilia Amorim

    ResponderExcluir
  29. Profundo,bonito,envolvente.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  30. Muito boa a leitura, cativa nossa atenção e isso é muito importante num texto. Parabéns!! Ana Rosina

    ResponderExcluir
  31. Oi, Jeferson, tudo bem?
    Parabéns pelo blog !!! Adorei a história do Teddy, apesar de tê-la achado triste ! Abraços, Cinthia

    ResponderExcluir
  32. Gostei da tua forma de escrever, me envolvi na história e chegeui a ficar com peninha do Teddy.
    Abraço;
    Dudinha Silveira

    ResponderExcluir
  33. Olá Jef! gostei da leitura obrigada pela indicação
    Abraços professora Débora

    ResponderExcluir
  34. Boa noite Jef!Parabéns!!! Li o seu texto e gostei muito da maneira como você discorre a história,pois prende o leitor ao conteúdo; achei também que você é muito criativo e decreve as situações com riqueza de detalhes. Continue firme em usar o talento que você tem. Abs. Jô

    ResponderExcluir
  35. Jeff, prazer enorme ter encontrado seu comment - um blogueiro experiente e bem sucedido dando força à uma iniciante como eu...um pouco da minha poesia:



    JOGO
    by luciana de camargo

    JOGA
    DA
    ®
    DO
    JOG
    A
    DO ®

    bjs...sucesso...lindão seu blog! ainda chego lá...

    ResponderExcluir
  36. Olá!
    Belo texto, instigante estória, mas a vida é assim, repleta de idas e vindas, mesmo sem saber o que esse tal de Tedy, tenha feito, por certo mereceu a mala na porta.
    Gostei muito do texto, um abraço e fique com Deus

    ResponderExcluir
  37. OLÁ MEU AMIGO JEFCARDOSO, VENHO AQUI MAIS UMA VEZ VISITAR SEU BLOG PARA LHE DAR O ENDEREÇO DE MAIS UM BLOG MEU E DE UM SITE, VISITE.

    http://osquatronaipes.blogspot.com.br/

    http://corneliojosewiedemann.com/

    ResponderExcluir
  38. Sabe quando você lê algo e reconhece algo comum na história?rs, sim, estes fatos poderiam ter sido parte da vida de minha personagem Suzana...vai ver as duas são até amigas.Não vejo a hora de ler as postagens mais antigas!Valeu pelo convite!

    ResponderExcluir
  39. Olá moço, que interessante, fui lendo , lendo e me apaixonei pelo Teddy, quando citou Noel Rosa, amo de paixão.E se era envolver que o conto pedia, estou aqui esperando a continuação.Porque continua, não é?

    Beijão e obrigada pelo carinho.

    ResponderExcluir
  40. Oi, Jeferson,

    Retribuindo a visita, aqui estou para deixar registrado que gostei muito do seu blog. Encantei-me com a leitura sobre Teddy. Deixo aplauso e abraço pelo seu belíssimo trabalho literário.

    Parabéns!

    bjs´/Madá.

    ResponderExcluir
  41. Oi Jeferson,
    Você deixou um comentário no meu blog perguntando sobre publicidade.

    Então, o método mais simples é adicionar o Google Adsense nos gadgets do próprio blogger, quando somar U$ 100 o google deposita na sua conta.
    Outra opção é a venda de banner.

    Esse site tem muitas dicas para blogs: http://www.ferramentasblog.com/

    Att,
    Carla Figueira

    ResponderExcluir
  42. Adorei o blog, muito lindo, amei tudo. Parabéns mesmo, vou sempre estar por aqui. (:

    ontendency.blogspot.com

    ResponderExcluir
  43. OLá Jeferson, adorei seu blog...
    Este "Onde os fracos não tem vez" é demais...
    Curti muito mesmo... Ainda não consegui encontrar essa fraqueza nos homens... rsrsrsr
    Parabéns!!

    ResponderExcluir
  44. Chegando de mansinho pra elogiar este bloguinho *_*
    E com toda humildade, te convidar para conhecer meu cantinho

    Abraços...

    http://www.cutetapemeasure.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  45. oI jHEF,

    ADOREI SEUS TEXTOS COMO PROFESSORA DE LINGUA PORTUGUESA, CURTI SEUS TEXTOS COMO INTERNALTA, SENTI PRAZER EM LER SEUS TEXTOS, ISSO COMO LEITORA, ENFIM... DE TODAS AS FORMAS E PRA TODOS OS TIPOS DE PUBLICO O SEU BLOG ATENDE!!!!!!
    PARABENS!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  46. Parabéns, admiro a tua forma de escrever, minha filha também é escritora (começou aos 5 anos e continua agora aos 15). Vou recomendar o teu Blog para ela.
    Abraço e obrigada pela gentileza dos teus comentários.

    ResponderExcluir
  47. Olá,Jeferson,passando para agradecer sua visitinha.Adorei seu blog,belo texto parabéns!Bom final de semana!
    abraços.

    ResponderExcluir
  48. Oi Jeferson... Parabéns pelo belo texto, tô adorando passar por aqui ;) Ler os seus textos me faz sentir como parte da história, tamanha a riqueza de detalhes, adoro!!!

    Abraço
    Cris

    http://www.mulheressuperestilosas.com.br

    http://www.mulheresshop.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  49. Fantástico!!

    http://estilohedonico.blogspot.pt/

    xoxo

    ResponderExcluir
  50. Adorei seus textos! Sou professora e agora trabalho com educação infantil, se ainda estivesse trabalhando com o fundamental e médio, iria pedir permissão para divulgar essa crônica. Belíssima!!!! Aproveite e curta a poesia que fiz sobre Patativa do Assaré, o maior poeta popular do mundo! Suas obras são estudadas na Universidade de Sorbone e outras da Europa!!!

    ResponderExcluir

Comente. É isso que o autor espera de você, leitor.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails