sábado, abril 14, 2012

BRB - O FIM DO MUNDO ENFIM

Amanheceu surdo como uma pedra. Estava disposto a distorcer sobremodo o significado de cada frase que percebesse ser emitida em sua direção. Pela expressão do rosto de seu interlocutor, apenas pressupunha o teor das palavras. Respondia com o que lhe viesse à mente. Por exemplo, ao perguntarem se dormiu bem, respondia que fazia frio naquela manhã e que não havia a menor chance de o sol surgir. Mas se lhe oferecessem café e pão em sua direção, aceitava e agradecia.

Havia tempo que estava invocado com os pedreiros. Todos os dias, antes que a família (filho, nora e dois netos) saísse para seus afazeres, dizia que os pedreiros não respeitavam a casa na ausência dos donos. Por estar cada vez mais surdo, a cada dia repetia as acusações em volume mais audível aos acusados. Apenas a família ficava constrangida, pedia para que falasse baixo. Não adiantava. Dizia que o pedreiro mais velho, o sujeito ruivo e barrigudo, era o mais abusado. Dizia que o folgado até abrir a geladeira abria e beliscava as comidas. O mesmo sujeito lia o jornal com os pés sobre uma cadeira, largava o jornal e ligava a tevê da copa, ficava mudando os canais feito um louco desvairado até encontrar um canal que o filho jurava jamais tê-lo assinado e que só constava ali por conta de um erro da operadora. Reclamava também do rapazinho que outrora elogiara, o servente. Disse que o mais velho estragou o garoto que seria tímido e educado no princípio, mas que agora era o mais ansioso para sair antes das dezessete horas, horário de encerramento do turno. E que também saía durante o horário de serviço, e atendia o celular, montava em sua bicicleta e aparecia meia hora depois, às vezes até mais.

Bob/Rock/Blues reclamava também da mulher que cuidava da limpeza e ordem da casa. A mulher era já uma instituição familiar. Estava na casa desde que o mais velho dos filhos, o de onze anos, nascera. Bob/Rock reclamava que a mulher levava uma eternidade para atender ao badalar da sineta, e que toda vez que vinha era com pressa para retomar o serviço da casa. A funcionária era uma pessoa séria e não gostava de conversa. Trabalhava sempre compenetrada em realizar da melhor maneira possível o serviço todo da casa. Na verdade, detestava ser interrompida.

Havia também a mulher que cuidava da roupa da família. Esta ia apenas duas vezes por semana na casa. Ficava na lavanderia, na área de serviço. Quando ouvia Bob/Rock/Blues chamar, apenas avisava a outra, e jamais fora ver o que o velho desejava.

Ás oito horas, chegava a enfermeira de Bob/Rock que ficava durante o dia. Esta ele dizia que era paga para ver televisão e falar ao celular com o namorado, um rapaz todo tatuado cujo qual certa vez Bob/Rock indagou ao próprio, ao vivo, na lata, se era maconheiro. E por conta de brincos, já em outra oportunidade, perguntou se o rapaz era veado, neste exato termo. A moça auxiliava no banho e dava os remédios do horário e alimentava o ancião com grande rigor e eficiência. Colocava o homem para tomar um pouco de sol. Guiava-o pela casa para as atividades de vida diária. E quando tudo estava certo, posicionava Bob/Rock/Blues em uma poltrona e ia assistir os programas matinais antes do almoço e programas de auditório pela tarde, novelas também.Coisas que Bob/Rock odiava declaradamente.

Mas naquela manhã, Bob/Rock não quis esperar até que a jovem enfermeira chegasse. Assim que a família partiu para suas respectivas ocupações, com grande dificuldade, ergueu-se da mesa do café apoiado na cadeira e depois na própria mesa, tomou o andador, que estava próximo, e, sem ser percebido pelo pessoal da reforma, que estava em um cômodo do fundo da casa, saiu pela garagem. Por descuido de alguém ou providência do destino, o portão estava aberto. Cuidadosamente, desceu a rampa e ganhou à calçada. Queria fazer uma caminhada? Queria fugir de casa? Queria chamar a atenção? Queria ver o movimento da rua? Queria apenas exercer sua condição de individuo livre, em termos? Queria apanhar uma flor justamente do canteiro no qual rachou o crânio? O que Bob/Rock/Blues queria ou planejava ninguém soube explicar com segurança. Sabe-se que fora encontrado inconsciente, ferido, caído na calçada com a cabeça, o rosto e a camiseta do Ramones ensanguentados. A vizinha foi quem o viu primeiro. O fato é que,daquele dia em diante, Bob/Rock/Blues não mais foi o mesmo.

38 Comentários:

Blogger Leticia Nassinger disse...

Adorei o texto!

15 de abril de 2012 00:43  
Blogger δανιελα disse...

Nesse detectei um certo estilo Kafka, não sei porque... Acho que pelo estilo da narrativa! Loucura minha? Viajem emaconhada de uma enfermeira? Ou simplesmente...

15 de abril de 2012 07:42  
Blogger Emanuel Ferreira disse...

Muito bom!

15 de abril de 2012 08:19  
Blogger JAN disse...

Talvez, BOB/ROCK/BLUES apenas quisesse (ainda que inconcientemente) usufruir da sua própria individualidade e pagou o preço.
O preço foi justo???? ... uma fração do tempo de individualidade vale qquer coisa.

Abração
Jan

15 de abril de 2012 13:02  
Blogger Isabel Ruiz, disse...

Nossa, estava com saudades dos seus textos. Depois de tanto tempo afastada dos blogs, retorno e não pude deixar de te fazer uma visita. Adorei o texto. Vou agora dar uma lida nos outros posts. Abraços.

15 de abril de 2012 13:06  
Blogger Bruna Batista disse...

Olá Jeferson! Gostei do texto! Muito bom! =D
Sou uma eterna aprendiz da vida, do amor e até da dor.
Obrigado pela visita ao meu blog, volte sempre que quiser! ;)
Tenha uma ótima e abençoada semana também!
Beijos

16 de abril de 2012 05:48  
Anonymous Anônimo disse...

O dom da escrita me fascina e vc o faz com maestria! Parabéns pelo lindo texto e já te sigo por aqui .
Compartilhei no twitter.
Abraço e obrigada pela visita la no santa dica .
Valeria Ferro

16 de abril de 2012 06:57  
Blogger Janaína Pupo disse...

Como você consegue nos prender tanto com sua escrita?
Ah, impossível não se tornar sua fã!
Beijos, meu querido.

16 de abril de 2012 15:27  
Blogger Ana Bailune disse...

HEHEHE... com certeza, ele não foi mais o mesmo, mas a família deve ter ficado mais feliz.

17 de abril de 2012 04:30  
Blogger Diálogos disse...

Gosto de ler bons textos para descansar das obrigações diárias e estou encantada com o seu talento.Já estou seguindo seu blog. Parabéns!

17 de abril de 2012 06:33  
Blogger Stephanie Soares disse...

Gostei do seu estilo.
Obrigada pela visita e voltarei por aqui também!
Abraço.

17 de abril de 2012 08:06  
Anonymous Anônimo disse...

Parabéns pelo blog, obrigada pela visita ao meu. beijo
Cida Torneros, RJ

17 de abril de 2012 10:26  
Blogger 'Anni Flores disse...

'Adorei o texto. Você mesmo cria suas histórias?
Eu gosto de escrever, e quero ser escritora e fotógrafa. Meu Blog é mais sentimentalista, tipo os Tumblrs ...
Eu não posto textos assim. Mas as vezes eu tomo coragem e boto uma parte ou outra de uma história minha. HEHE'
Vou ler mais seu Blog. Beijos.

17 de abril de 2012 21:34  
Blogger Cibele Ferreira Sales disse...

Bom dia Jeferson!! Passando pra retribuir a visita!!! Gostei muito do seu texto!

19 de abril de 2012 05:32  
Blogger yoyo disse...

Oi Jeferson, adorei sua história, tu é bom hein cara! Vou voltar para ler outras... Obrigada pela visita. Deixei um comentário lá, explicando a poesia e o texto do face... Como é que você me descobriu? Um abraço!

19 de abril de 2012 12:30  
Blogger Dani Fertei disse...

Oi Jeferson, obrigada pela visita e pelo comentário.
Vc tem razão, o importante é trilhar o caminho do bem, sempre.
Adorei o seu blog e as histórias, estou ansiosa pelas próximas.
Gde abraço e um final de semana iluminado.

19 de abril de 2012 21:32  
Blogger crisgerber disse...

Olá Jeferson!Primeiramente gratidão eterna pelo seu elegante e primeiro comentário em meu modesto blog.
Chega um momento que o corpo que habita dentro de nós não mais compactua com a carcaça que temos que carregar.
Hoje pelos mesmos motivos, o meu BOB/ROCK foi morar no mesmo mundo que o seu. abraço

20 de abril de 2012 14:43  
Anonymous Anônimo disse...

Olá,
Parabéns pelo blog! Estou seguindo.
Segue lá também..

http://www.estanteseletiva.com/

20 de abril de 2012 15:51  
Blogger Sara Neves disse...

oi Jeff boa noite,obrigado pela visita lá no blog,não vou prometer ler o livro que vc me indicou,pois estou sem tempo mais obrigada pela dica,quando surgir um tempinho quem sabe kkkkkkkkk.

20 de abril de 2012 18:26  
Blogger MA FERREIRA disse...

Oi Jefh..


Fazia tempo que não visitava o seu blog.

Como sempre adorei a tua cronica.
Super original o nome do teu personagem...
Seria até engraçado se p texto fosse mais leve. Mas é forte,
Eu não quero ser ranzinza quando ficar mais velha..rs
Eu as vezes penso que as pessoas são ranzinzas para chamar atenção.. carencia.

Bom..talvez o Rock Blue ja estivesse cansado.... e arrumou um jeito de fugir da realidade, inconcientemente.

Acho eu deveria ter estudado psicologia...rsrs

Meu amigo, deixo aqui o meu beijo a voce, a sua esposa, ao seu filhote... a todos os seus amados.

Um beijo...

21 de abril de 2012 07:57  
Blogger Thaís disse...

Oi,boa tarde. Vim elogiar o seu blog que é magnífico e vim aqui também para lhe pedir dois favores. Teria como você seguir o meu blog e publicá-lo?
Esse é o meu blog : http://www.gtpc.blogspot.com.br/
Obs: Já lhe sigo,impossível não seguir um blog tão espetacular como o seu.
Grata.

21 de abril de 2012 10:16  
Blogger Gabriela. disse...

Boa noite, adorei seu blog! estou seguindo e conto com sua visita no meu, abraços

www.acreditaremserfeliz.co.cc

21 de abril de 2012 17:04  
Blogger Vivian disse...

Bom dia,Jeferson!

Puxa, que história!
Belo texto!
beijos!Boa semana!
*Obrigada pela visita!
Seja bem-Vindo!

22 de abril de 2012 05:40  
Blogger Lillyan Kétilem disse...

oi jefh obg por elogiar meu blog... espero que eu consiga tantos membros como vc bjuss

22 de abril de 2012 08:40  
Blogger Janaína Pupo disse...

Querido, eu só falei a verdade ^^
Sou sua fã.
Beijos

23 de abril de 2012 15:10  
Blogger Fernanda disse...

Jeferson, estoy vendo que és um bom marketeiro de teu blog. Tens uma alma sensível e o seu trabalho é magnífico. Sabe aquele livro os 100 melhores contos brasileiros do século XX? Você certamente estará no do séc. XXI se depender de mim. Sua escrita é ao mesmo tempo agressiva e suave, a leitura é fácil e agradável, com uma dose de humor e de algo com que a gente se identifica. Tenho certeza que farás muuuuito sucesso, inclusive o meu bloguinho iniciante teria o maior prazer em fazer uma entrevista virtual contigo - quiça real, para desvendar os segredos deste talento. Parabéns, dom é dom e o seu você já encontrou. Quero que sejas inspiração para muitos aspirantes a escritores por este Brasil afora. Respondi no meu blog a seu comentário nos seguintes termos: "Convite aceito Jeferson, nossa você é muito bom na escrita, quanta criatividade! Para mim é uma honra saber que você gostou do post rsss e ter entrado no clima de shopping e tal... é o que no fundo pretendo passar aos leitores, que possam "viajar" junto comigo rsss E essa sua frase do sonho? Perfeita, vem muito a calhar nesse momento que estou passando, várias idéias em mente e tal... O coração falando mais alto! Boa semana para ti". Apenas fiquei curiosa sobre como você conheceu o meu bloguinho. Beijos, ótima semana e muito sucesso!!! Fernanda Dantas

23 de abril de 2012 19:46  
Blogger Fernanda disse...

Jefh, já fiz propaganda de seu blog no meu facebook, aposto no seu talento e quero ver seu nome do livro dos melhores contos do século XXI!!!! Postei assim no face:

"Mesmo que a felicidade lhe caia do céu é preciso estar na hora e no lugar certo. Mova-se!” Jeferson Cardoso, super talento literário revelado no blog www.jefhcardoso.blogspot.com.br/ . Recomendo a leitura a todos os apreciadores!

23 de abril de 2012 19:53  
Blogger Gabriela Moura disse...

PARABÉNS ADOREI O SEU BLOG!!!! jÁ DIVULGUEI ELE NO MEU FACE E NO MEU BLOG...

24 de abril de 2012 19:43  
Blogger Biia Meucci disse...

Oii Jefh,adorei seu blog,o texto também,obrigada por comentar no meu blog...

26 de abril de 2012 05:40  
Anonymous Leila Franca disse...

Olá Jeferson,

Vim retribuir a visita e li o seu texto. Está muito bom. No meu ponto de vista, o problema da idade é que as pessoas esquecem que aquele ser é uma pessoa, não é um "velho". A surdez é carregada de preconceito e solidão. As pessoas ao redor não têm paciência e não entendem o quanto o outro escuta e como percebe o mundo. Pra mim Bob/Rock/Blues estava cheio de todos ali e foi procurar viver sua vida sozinho.

bjs

26 de abril de 2012 06:54  
Blogger Tatiane disse...

Parabéns pelo blog! O texto muito foi bem escrito.faz a gente pensar sobre uma das maiores verdades da vida: "Você colhe o que você planta"...

26 de abril de 2012 07:11  
Blogger Nahty disse...

Concordo com Tatiane, o texto está ótimo, e o blog está muito bonito, meus parabéns a vc ok ♥

27 de abril de 2012 05:38  
Blogger recanto da ade disse...

Jeferson, a velhice é triste, principalmente qdo o idoso quer ser útil e não o consegue. Para a família, passa a ser um incomodo, não pq não gostem, mas pq lhes falta o entendimento de um coração que durante toda sua vida doou amor, e, quer continuar a doar, mas o corpo cansado não o permite ...
O corpo envelhece, mas o espírito é jovem...
O que precisa sempre é aceitação ...
Obrigada pela visita ao meu blog, um abraço.
Adelaide

27 de abril de 2012 06:35  
Blogger Ellemzinha disse...

retribuindo a visitinha que vc fez ao meu blog adorei a história muitoooo interessante prende a atenção da gnt=)
Enfim obrigado pela visita e espero q volte sempre pois eu com certeza vou visitar sempre...Adorei=)
BY>Ellemzinha
http://garotassortudas.blogspot.com.br/

27 de abril de 2012 09:08  
Blogger Mandy nogueira disse...

Bom... muito obrigada por ter visitado meu blog..
to aquii retribuindo sua visitiinha
adorei seu blog
ele é realmente muito bom!
bjinho

6 de maio de 2012 11:53  
Blogger Maier disse...

Olá, Jeferson.

Adorei seus textos, são muito bons.. Parabéns. te desejo todo o sucesso do mundo.

Obrigado por visitar meu blog e ter postado seu comentário.

;]

2 de junho de 2012 12:31  
Blogger chiquita bonecas de pano disse...

Ola Jeferson ,vim aqui retribuir sua visita e dizer que adorei tambem o que escreve e vou ser sua seguidora,um abraço e apareça mais vezes.

26 de junho de 2012 15:32  
Blogger Malu Paixão disse...

Caramba! Muito bom o jeito que vc usa palavras nada convencionais sem tornar o texto chato, incrível! Seu estilo de escrita é muito único!
O Bob me lembrou um coronel de uma peça que fiz. Um filhodaputa de um moribundo, mais naturalista impossivel. Ainda acho que ele foi pro meio da rua para ser propositalmente atropelado e poder ir mais rápido para o inferno, tratar dos negócios que tinha com o demonio... hahaha Ok, viajei...
E pra finalizar, tenho que dizer que passei mal! Velhice é meu ponto fraco. O tempo também. E vc usou e abusou disso hein!
Arrasou! o texto é maravilhoso! sem mais.

24 de abril de 2013 18:15  

Postar um comentário

Comente. É isso que o autor espera de você, leitor.

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial