Amigos

sábado, janeiro 02, 2010

Alegria, Fogos e Fatos

Ouvindo o foguetório bebeu a cachaça, atrelado ao gargalo;
Por sorte ou azar deixou que o vidro despencasse de sua mão débil, debilitada.
Ouviu-se o estouro oco e surdo do vidro que parte e espalha o liquido contido, feito uma massa aquosa.
Viu espatifar-se em mil pedaços.
Avançou num salto por sobre os cacos;
Sorveu as gotas retidas nos maiores e lambeu os menores.

Um fino fio de sangue, uma raja, misturou-se ao grosso cordão de baba;
Não notou a sialorréia sanguinolenta a molhar as abas da camisa desabotoada.
Subiu a ladeira num pranto desconsolado;
Fazia dó sua lástima!
Mas era algo impossível distinguir qual a maior tragédia naquela vida tão desprovida de graça:
Seria mais comovente o caco de vida, ou os cacos da garrafa?

Os fogos coloriam o céu nas mais diversas cores;
Xingou a todos que o olhavam curiosos.
Seguiu numa marcha ziguezagueada a passos que ora subiam, ora retrocediam ao acaso;
Movia-se sobre uma serpenteante linha imaginária.
Com o dorso do antebraço espalhou as lagrimas por toda a cara;
A baba proferida com as palavras ininteligíveis não lhe incomodava;
Mas os olhos marejados sim;
Estes atrapalhavam a visão turva, disforme e duplicada, triplicada, quadruplicada...

Ao atingir o topo da ladeira não encontrou nada;
Nada que lhe apetecesse a alma,
Nem um reconfortante boteco de portas abertas,
Nem os portais de uma igreja que lhe inspirasse a converter-se de seus caminhos sinuosos.
Não havia maneira para afogar suas mazelas inacabáveis;
Era um ser inconsolável.

O estourar dos fogos lhe transfiguravam a face furiosa.
As lagrimas rolaram novamente,
E com o mesmo vigor da ocasião da fatídica quebra da garrafa.
Escorando as mesmas paredes da ida,
Feito uma lagartixa zonza,
Decidiu voltar ao local do infortúnio;
Desceu esbravejando, jurando vingança ladeira abaixo;
Agarrava-se a um poste, um portão, uma árvore,
Fora tomado por um espírito impiedoso como o de Vlad, o Empalador.
Prometia a não sei quem as mais terríveis atrocidades.
Parou diante dos estilhaços,
Abriu os braços,
E girou em elipse,
Transcreveu no ar o vôo do pássaro mal fadado,
Girou, girou, girou, girou...
Caiu,
Sua têmpora encontrou a quina da sarjeta úmida.
Ouviu-se o estouro oco e surdo como do vidro que parte e espalha o liquido contido, feito uma massa aquosa;
E se seus olhos viram algo concomitante ao choque do impacto,
Viram os estilhaços da garrafa;
E se viram mais algo alguns segundos mais tarde,
Viram seu sangue misturar-se ao que ainda não havia evaporado da cachaça,
E juntamente com o evaporar da cachaça, viu evaporar algum indício de consciência precária que ainda lhe restava;
E se teve um delírio de morte,
Viu os fragmentos da garrafa se encontrar,
E para dentro da garrafa dirigir-se todo o seu sangue,
E transbordar para muito além da estúpida garrafa,
Molhando toda a calçada, a rua, a ladeira acima e o cume da mais alta construção comercial,
Misturando-se ao colorido dos do show pirotécnico.

Sem vida,
Fora encontrado ao despertar do dia 01 de 2010, pelos varredores:
Olhos opacos, vidrados,
Vidrados no vidro estilhaçado submerso na pasta vermelha coagulada.

O gari, num suspiro, compadeceu-se da cena:

Pobre desgraçado que vai solitário a construir sonhos de garrafa.
Pobre solitário!
Exilado de si enquanto sua vida passava.
Privado de ser para agradar ou desagradar; quem sabe?
Mentindo ser feliz na falsa verdade que o cercava.
Fingiu não perceber viver sob o manto da infelicidade.
Sempre insatisfeito a jogar o jogo do ébrio contente com a garrafa.
Pobre desgraçado!
Descanse finalmente em paz,
E que os anjos lhe tomem a alma.


Obs. Impossível não perceber que há pessoas morando nas ruas, dormindo sobre papelão, comendo o que jogamos fora...

14 comentários:

  1. Oi Jef... adorei o texto. Pois é colocaram pimenta mesmo no meu molho!!! kkkkk
    Bom a música rola em uma postagem abaixo do texto de um slide de feliz ano novo com fotos minhas de de minhas amigas. A versão que está tocando é a Hallelujah do Jeff Buckley. Há várias versões dessa música mas acho esta a mais bonita. Bjs e que venha 2010 com muita pimenta!!!

    ResponderExcluir
  2. Seu conto triste cria uma atmosfera que nos faz acreditar que não existe outra saída, senão acabar com este caos.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Um lindo e bem reflexivo texto,Jefh!Não há como não lembrar e perceber as desigualdades... abração e tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  4. Obrigado pela visita ao Blog e aquele Abraço, com o desejo que 2010 seja um ano de sucessos.

    Um abraço desde Portugal

    ResponderExcluir
  5. Jefh...

    o homem que a fitava era o seu mais novo amor e não um estranho.

    o texto é meu saído da minha própria cabecinha, rsrs!

    não é auto-biográfico mas tem muito de mim como tudo que escrevo, pois, acredito que até quando se escreve ficção há muito do subjetivo do autor por mais que muitos neguem dizendo que é apenas uma estória.

    bom que tenha gostado. abraço.

    ResponderExcluir
  6. muito bom o texto!
    eu trabalhava com população em situação de rua, mais especificamente com crianças e adolescentes, barra!

    mas enfim, enquanto eu tiver revolta e raiva desse sistema mercantilista e materialista em que vivemos eu ainda estarei sempre contribuindo para a transformação.

    abraços.


    PS: serei sua seguidora a partir de agora estará minha fotinho nos seus seguidores e cadê vc nos meus??? rsrs!

    ResponderExcluir
  7. um conto que contas com encanto e sensibilidade tal de tão crítica situação... traçando linhas bem torneadas com entrelinhas tais que nos sacodem a alma... parabéns!

    qto ao 'mediano' que citei, disse da forma como disse do ser mediano, visto que já tentei e não consegui, e digo dos conformados, apáticos que vivem a vida apenas pelo simples e rotineiramente... já tentei e não consegui... rsrs... não tenho nada contra pessoas comuns... hehe

    Obrigada pelas visitas e pelo carinho... qto ao escrever com qualidade pior, duvido muito, porque vejo em seus textos um quê de quem diariamente observa, expressa, experimenta e escreve com a alma, com o coração...

    Prossigamos então... bjs e até.

    ResponderExcluir
  8. oi,Jefh...

    Que venha 2010, carregadinho de surpresas,promessas,um desafio prá gente enfrentar! Seja muito feliz nele.

    Quanto ao texto, o dolorido contraste entre cores e luzes x dor e abandono. Bonito e triste.Vc começou bem o ano, com a sensibilidade exacerbada.Parabéns.

    bjs.

    ResponderExcluir
  9. Olá Jefh!! é assim mesmo...a vida transcorre, muitas vezes, diferentemente de que pensamos, mas, fazer o que? é o nosso único planeta e dele devemos tirar o melhor(sem feri-lo, claro).

    Feliz 2010 e aguardo sua visita.

    grato,
    Freud Scheider

    ResponderExcluir
  10. "O cavalo que vence a corrida muitas vezes é o cavalo que não recebeu nenhum tostão em apostas" (frase de Jeph Cardoso).
    E este ser que, possivelmente, galopou a vida inteira, que não recebeu nenhum tostão em apostas, será que alguma vez teve direito a sentimentos "com cheiro de sonho"? Ou será que afogou seus sentimentos em cachaça pela não realização do seus sonhos, acabando por afogar também a sua própria vida?...
    A sua história é muito triste, mas sabemos que essa é, infelizmente, a realidade de milhões. Uns afogam os sonhos em cachaça, outros em drogas, outros em ninharias (e estes são mais pobres coitados do que os outros). E depois...existem os que que não escolheram afogar as mágoas em coisa nenhuma, que querem viver e enfrentar 'a tourada da vida',mas a quem o próprio destino se encarrega dos 'afogar' em doenças fisicas sem cura.
    Gostei da sua escrita Jefh Cardoso. E obrigada pelo seu comentário.É facto que estou moderadamente feliz pelo prémio da Artmajeur e não me incomoda nem um pouco, não 'ganhar tostões de apostas', porque o dinheiro faz falta, mas não é o essencial.
    Quem gosta da minha pintura e compra: logicamente que fico monetariamente melhor, mas se não o fizer e me disser, ou mostrar, que gosta dela, fico feliz.Não sei se me estou a explicar bem, mas isto resume o seguinte: quem gosta, óptimo. quem não gosta e não destrói, óptimo também. Mas quem não gosta e destrói...bom...o que direi? Que é Insensivel? Sei lá...Eu pinto porque gosto de pintar e pronto :).
    Ah!! e se você não conhece o meu trabalho, tem bom remédio: ou olha com um pouco mais de atenção para o meu blog, ou então vá a www.artmajeur.com/pintura-inesdourado :):)

    Um abraço cá deste lado do Atlântico
    Inês

    ResponderExcluir
  11. Caro Jefh,

    Obrigado pela visita. Gostei do seu blog e virei outras vezes.

    Feliz Ano Novo!
    Abraços,

    Adriano Nunes.

    ResponderExcluir
  12. É tens toda razão de escrever de uma forma doce uma realidae que nos assola no nosso dia- a - dia, por se tornar tão comum diante dos nosso olhos ficamos insensíveis.
    Mas ainda temos a chance de mudar, pois o ser humano vale a pena, por mais que o mundo diga não, acredito que podemos reverter essa situação,temos um trabalho enorme pela frente, masacredito que estamos acordando e vamos conseguir melhorar. bjs Lu

    ResponderExcluir
  13. Ei meu amigo!
    Eu que tenho que agradecer pelo carinho em que deixas teus comentários em meu cantinho.
    Sei que envelhecer é uma coisa muito dificil de se aceitar, temos que ir trabalhando a nossa mente e nosso corpo,a minha mãe tem 83 anos,é uma pessoa cheia de vida, alegre,ativa mas em dezembro de 2009 teve uma embolia na artéria da retina perdeu a vista do olho esquerdo. e para completar do olho direito só tinha 25% da visão.Nossa como é duro ve-la assim.Mas ela está aos poucose adaptando a nova situação , é uma Mulher imensamente forte
    é para se admirar.
    Acredito que tudo isso é em decorrência da velhice É DURO VERMOS E SABERMOS QUE PODEMOS TER OS MESMOS PROBLEMAS E OUTROS QUEM NEM PENSAMOS.bJS IMENSOS A TI
    e CONTINUE A CUIDAR DOS IDOSOS ELS TÃO QUANTO AS CRIANÇAS PRECISAM DE MUITA ATENÇÃO AMOR.
    LU

    ResponderExcluir
  14. Muito bonitos seus textos!

    Beijos

    overdoseteen.com

    ResponderExcluir

Comente. É isso que o autor espera de você, leitor.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails